Mercado

d1000 faz IPO, ações caem 12% e investidor é penalizado: o que deu errado?

Berna investiu dinheiro público no tráfico negreiro

Estouro da bolha em 1720 quase levou o cantão suíço à falência; os dois principais bancos quebraram e por 30 anos nenhum outro foi aberto

Jamil Chade, Correspondente/ Neuchâtel, Suíça

27 de setembro de 2014 | 16h51

Não foram apenas banqueiros e empresários de Neuchâtel que apostaram no tráfico de pessoas para fazer fortunas. No dia 14 de abril de 1719, a República de Berna comprou 150 mil libras em ações numa das maiores empresas do mundo no tráfico de escravos, a South Sea Company, sediada em Londres. A iniciativa transformou Berna no maior acionista da companhia e o Estado gastou quase 10% de suas reservas nesse investimento. Mas a aposta quase levou o cantão à falência.

Um estudo da London School of Economics (LSE) revelou que a estratégia de Berna chegou a chamar a atenção da monarquia britânica e, na época, foi considerada uma das maiores iniciativas financeiras por parte de um Estado. Berna, ao contrário de dezenas de governos pela Europa, vinha de dois séculos sem guerras, o que permitiu acumular um importante superávit. Mas precisava encontrar aplicações para o dinheiro que acumulava.

A empresa South Sea havia sido criada em 1711 e tinha como objetivo ajudar o governo de Londres a reduzir suas dívidas graças ao comércio. Mas a realidade é que o fluxo de bens com a América do Sul, seu principal objetivo, era praticamente inexistente. O continente sul-americano era dominado pelos governos da Espanha e de Portugal, o que impedia a concretização do plano britânico.

Mesmo assim, as ações da empresa ganharam uma dimensão inusitada, alimentadas por pura especulação, muitas vezes vinda de dentro da própria empresa, interessada em arrecadar mais dinheiro com a venda de seus papéis na Bolsa. O único comércio que de fato ocorria nas mãos da South Sea Company era o de escravos, que, a partir de 1715, dominou as atividades da empresa. Mas não justificava o salto no valor das ações, evidenciado, por exemplo, pelo alto investimento feito por Berna.

O plano da companhia inglesa era levar da África para as Américas cerca de 34 mil escravos, em 96 expedições. Centros de comercialização foram montados pela South Sea Company no México, Panamá, Colômbia, Cuba, Jamaica e Havana. 

Estouro. No rastro do sucesso da South Sea Company, muitas outras empresas resolveram emitir e vender ações. Em 1720, porém, a bolha de ganhos provocada pelo interesse na South Sea iria estourar, provocando profundos impactos para a economia britânica. Uma espécie de CPI chegou a ser montada pelo Parlamento Britânico, que confiscou os ativos de empresários do setor e ainda puniu políticos que teriam se beneficiado de forma ilegal da atividade dessas companhias.

As contas de Berna sairiam ilesas em um primeiro momento – em junho de 1720, um dos bancos envolvidos na operação alertaria para os riscos do rápido aumento nos valores das ações, num sinal claro de que a alta não tinha como base um maior lucro da South Sea Company, mas sim por causa da especulação. Conservadores, os representantes de Berna decidiram no dia 22 de junho de 1720 vender todas suas ações na companhia, obtendo um lucro de 660% em comparação ao que haviam aplicado um ano antes.

Nos dois meses seguintes, as ações da companhia realmente desabariam, provocando o que viria a ser considerado o primeiro estouro de uma bolha no sistema capitalista. Como reação, entrou em vigor na Inglaterra uma nova lei que proibia a formação de sociedades anônimas sem a aprovação expressa do Parlamento. Essa limitação durou até o ano de 1865.

O impacto para Berna, no entanto, não havia terminado. O crash da Bolsa de Londres levou à falência os dois principais bancos do Estado – o Malacrida & Cie e o Samuel Muller & Cie. O caos financeiro causou uma crise política e obrigou a República de Berna a redesenhar sua Constituição.

O lucro que Berna havia obtido ao vender suas ações da South Sea Company antes que a empresa quebrasse, de acordo com o estudo da London School of Economics, foi suprimido diante das perdas com seus agentes financeiros e, por 30 anos, nenhum novo banco foi aberto na cidade suíça.

Para entender. Em 1711, em dificuldades financeiras por causa de exagerados gastos com guerras, o governo inglês pegou um empréstimo de 11 milhões de libras com a South Sea Company. Em troca, a empresa conseguiu juros de 6% ao ano e o monopólio do comércio nos mares do Sul. Para se financiar, a companhia resolveu vender ações, que se esgotaram rapidamente, graças a uma propaganda agressiva. Mas, em 1718, Inglaterra e Espanha entraram em guerra, destruindo qualquer possibilidade de sucesso na operação. 

Tudo o que sabemos sobre:
SuíçaEscravidão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.