Bernanke cogita mais medidas se for preciso acalmar mercado

Presidente do BC americano diz que volatilidade dos mercados e indicadores mostram que desafios continuam

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

14 de novembro de 2008 | 11h56

O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse nesta sexta-feira, 14, que as autoridades estão prontas para "tomar medidas adicionais" se necessário para acalmar os mercados financeiros. Embora tenha apontado "tentativas de melhoras no funcionamento do mercado de crédito", ele também alertou que "os mercados permanecem sob tensão severa".  Veja também:Zona do euro entra em recessão pela 1ª vezEconomia da Europa contrai; veja especial com gráficosRecuperação da Europa, EUA e Japão virá em 2010, diz OCDEPIB da Alemanha cai pela 2º vez consecutiva  Veja os principais pontos do encontro do G-20 em São PauloDe olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Em discurso em conferência do Banco Central Europeu (BCE), Bernanke disse que "a persistente volatilidade dos mercados e indicadores recentes de performance econômica confirmam que os desafios continuam". "Por essa razão, os formuladores de política permanecerão em contato próximo, monitorando os desdobramentos de perto, e estão prontos para tomar medidas adicionais se as condições exigirem", afirmou. No mês passado, bancos centrais ao redor do mundo, incluindo o Fed (dos EUA), o BCE (da Europa) e o Banco da Inglaterra (BoE), reduziram as taxas de juro em 0,5 ponto porcentual cada. Em seu discurso desta sexta, Bernanke considerou a ação coordenada "um forte sinal ao público e aos mercados de nossa determinação de agir em conjunto para responder aos desafios econômicos globais". Bernanke disse ainda que o "aperto de crédito" é a "principal causa da desaceleração econômica que acontece neste momento em muitos países". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
crise nos EUABen Bernanke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.