bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Bernanke diz estar animado com resultados de programas

Presidente do Fed diz que os esforços do BC para desobstruir os mercados de crédito têm tido algum sucesso

Suzi Katzumata, da Agência Estado

10 de fevereiro de 2009 | 16h49

O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, disse que os esforços do banco central para desobstruir os mercados de crédito têm tido algum sucesso até aqui na redução dos custos de financiamento do setor privado. "Estamos animados pelas respostas àqueles programas", disse Bernanke em depoimento preparado para o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara. "Notadamente, nossos empréstimos para instituições financeiras, junto com ações tomadas por outras agências, têm ajudado a aliviar a severa pressão de liquidez experimentada por muitas firmas e têm sido associadas com consideráveis melhoras nos mercados de empréstimos interbancários", disse.   Veja Também: De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   Especificamente, Bernanke disse que a Linha de Financiamento de Commercial Papers tem sido bem sucedida em estabilizar aquele mercado e ajudou a conter os saques dos fundos mútuos do mercado monetário (empréstimos de curto prazo).   As compras do Fed de papéis de dívida das agências hipotecárias e de ativos lastreados em ativos das agências, sob um programa de US$ 600 bilhões, "parecem ter tido um efeito significativo na acomodação das taxas hipotecárias, com as taxas sobre as hipotecas de 30 anos com juro fixo caindo para próximo de um ponto porcentual desde o anúncio do programa", disse Bernanke. Mais cedo, o Fed anunciou ampliação da sua Linha de Empréstimo a Termo para Ativos Lastreados em Ativos (Talf, na sigla em inglês) para até US$ 1 trilhão.   O programa tem como objetivo estimular o empréstimos em mercados para dívida lastreados em dívida de cartão de crédito, financiamento automóveis, crédito estudantil e empréstimos para pequenas empresas. O Fed também disse que iria expandir os colaterais elegíveis para incluir ativos lastreados em ativos de elevada classificação, como imóveis comerciais e certos tipos de ativos lastreados em hipotecas residenciais.   "Se o programa funcionar como o planejado, deve ajudar a reativar a atividade naqueles importantes mercados de securitização e levar as taxas de empréstimos para baixo e melhorar o acesso nos mercados para crédito ao consumidor e pequenas empresas", disse Bernanke. O presidente do Fed disse que o capital proporcionado pelo Departamento do Tesouro para o Talf, sob o Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp), "vai ajudar a isolar o Federal Reserve das perdas de crédito".   'Piso efetivo'   Bernanke disse também que com a meta para a taxa dos Fed Funds próximo de zero e, portanto, "em seu piso efetivo", a habilidade do banco central para estimular a economia baseia-se, em grande medida, em seu balanço patrimonial - através do qual financia suas incontáveis iniciativas de crédito. Os novos programas do Fed, anunciados mais cedo, devem levar a uma expansão ainda maior do balanço patrimonial, que já soma quase US$ 2 trilhões.   Em depoimento preparado para uma audiência no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, Bernanke também disse que o Fed está considerando divulgar mais detalhes para o público sobre seus programas de empréstimos. Ele colocou o vice-presidente do Fed, Donald Kohn, no comando desse esforço. "A conclusão do comitê será que o público tem o direito de saber e que a não divulgação de informações deve ser positivamente justificada por critérios claramente articulados para confidencialidade, baseado em fatores como reivindicações razoáveis para privacidade, a confidencialidade da informação de supervisão", disse o presidente do Fed. Bernanke também exortou os congressistas a tornar a criação de um sistema para lidar com a questão de como resolver o potencial fracasso de firmas financeiras importantes ao sistema uma prioridade máxima. As informações são da Dow Jones    

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.