Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bernanke diz que inflação preocupa, mas tende a cair

Presidente do Fed depõe na Câmara dos Deputados

AGÊNCIAS INTERNACIONAIS, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2007 | 05h18

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Ben Bernanke, disse ontem que está ''''insatisfeito'''' com a taxa cheia de inflação nos Estados Unidos, medição que inclui os preços de alimentos e energia. Por isso, disse, o Fed precisa continuar ''''bastante vigilante''''. As declarações foram dadas durante depoimento ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados.No texto lido antes de responder a questões dos parlamentares, Bernanke ressaltou que o núcleo da inflação, que exclui alimentos, bebidas e energia, é um termômetro melhor da tendência de preços do que o índice cheio. O núcleo tem crescido a um ritmo mais lento.Ontem, o Departamento do Trabalho informou que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) avançou 0,2% em junho, acima da projeção de 0,1% dos analistas. O núcleo apresentou alta de 0,2% no mês, exatamente como previam os especialistas. Nos últimos 12 meses, o CPI cheio acumula elevação de 2,7% e o núcleo, de 2,2%.Bernanke afirmou que as leituras recentes ''''favoráveis'''' dos núcleos da inflação são sujeitas a ''''ruídos consideráveis'''' e ''''também podem ser resultado de influências transitórias''''. Segundo ele, o Fed tem citado a inflação ''''consistentemente'''' como a principal preocupação para a política monetária. Ele disse que as expectativas para a inflação estão ''''contidas'''' e observou que a inflação medida pelo núcleo deve diminuir em 2008.PROJEÇÕESO conselho do Federal Reserve divulgou, junto com o depoimento de Bernanke, projeções para dois dos principais indicadores econômicos dos Estados Unidos. Segundo o Fed, a inflação medida pelo núcleo do índice de preços para gastos pessoais com consumo (conhecida pela sigla PCE) deve ficar entre 2% e 2,25% neste ano e entre 1,75% e 2% em 2008. As avaliações ficaram inalteradas em relação ao relatório de fevereiro do BC americano.''''As expectativas de longo prazo da inflação estão contidas, as pressões sobre a utilização da capacidade da economia devem se enfraquecer um pouco e alguns dos outros fatores que pressionaram a inflação nos últimos anos já recuaram ou devem recuar em breve.''''Ao mesmo tempo que não alterou a sua previsão para a ''''tendência central'''' da inflação, o Fed reduziu a projeção para o crescimento. Bernanke anunciou que a instituição rebaixou a previsão de expansão em 2007 para a faixa de 2,25% a 2,5%. A projeção anterior era de 2,50% a 3%. A expectativa de crescimento do Fed para 2008 também foi reduzida, da faixa de 2,75% a 3% para a de 2,50% a 2,75%.''''Ficou claro que não há mudanças iminentes na política monetária'''', avaliou Michelle Girard, economista do RBS Greenwich Capital. A taxa básica de juros nos EUA está em 5,25% ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.