Bernanke: economia dos EUA está saudável, mas há riscos

O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, mostrou confiança na saúde da economia norte-americana, apesar da desaceleração no setor imobiliário. Ele alertou, no entanto, sobre riscos às atuais perspectivas benignas de inflação. "Em geral, a economia dos EUA parece inclinada a se expandir em ritmo moderado neste ano e no próximo, com fortalecimento do crescimento na medida em que o recuo da moradia diminuir", avaliou ele em comentários preparados para um comitê do Senado nesta quarta-feira, 14. Em seu depoimento semestral ao Congresso, o Fed disse que o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA deve crescer entre 2,5% e 3% neste ano e entre 2,75% e 3% em 2008. O núcleo da inflação, medido pelo índice de gastos com consumo pessoal excluindo alimentação e energia, deve ficar entre 2% e 2,25% neste ano. Em 2008, o indicador deve recuar para a faixa entre 1,75% e 2%. Bernanke alertou, entretanto, que os riscos às perspectivas econômicas, mais especificamente para as previsões de manutenção dos preços contidos, são grandes. Ele notou que existem alguns sinais de que as pressões inflacionárias estão arrefecendo, mas acrescentou: "Levará algum tempo até que possamos estar confiantes de que a inflação está desacelerando conforme o previsto." Além disso, o chairman do Banco Central dos EUA afirmou que "os preços do petróleo e de outras commodities são notoriamente difíceis de antecipar, e continuam sendo uma fonte chave sobre a incerteza para as perspectivas da inflação." Bernanke disse estar confiante de que a postura da política do Fed, que manteve a taxa de juro em 5,25% nas últimas cinco reuniões, vai estimular o crescimento sustentável e, gradualmente, acalmar o núcleo da inflação. No entanto, ele repetiu que o Fed "está preparado para tomar atitudes para lidar com os riscos de inflação caso os acontecimentos exijam isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.