Bernanke: desemprego ainda preocupa
Bernanke: desemprego ainda preocupa

Bernanke pede menos rigor fiscal para conter desemprego nos EUA

Presidente do Fed anunciou disposição de estimular a economia evitando 'tomada de risco excessiva'

Agência Estado,

22 de maio de 2013 | 17h00

WASHINGTON - O presidente do Federal Reserve dos Estados Unidos (Fed), Ben Bernanke, declarou que a política monetária não pode compensar totalmente os efeitos negativos da política fiscal restritiva. Segundo ele, o Congresso dos EUA deveria suavizar o rigor fiscal neste ano e nos próximos, pois o preço do alto nível de desemprego é muito grande. 

Em um discurso preparado para sua participação no Comitê Econômico Conjunto do Congresso, Bernanke deixou claro que não está satisfeito com o progresso no mercado de trabalho. "Embora tenha havido alguma melhora, o mercado de trabalho continua fraco", afirmou.

A taxa de desemprego caiu para 7,5% e a criação de empregos pela economia tem ficado em média acima de 200 mil vagas por mês nos últimos seis meses.

"A taxa de desemprego ainda está bem acima do nível normal de longo prazo, as taxas estão historicamente altas e a participação da força de trabalho continua diminuindo", declarou Bernanke. "Quase oito milhões de pessoas estão com emprego de período parcial", acrescentou.

Bernanke disse que ele e seus colegas do banco central norte-americano precisarão ver mais melhoras consideráveis na economia dos EUA do que viram até agora. "Apesar dessa melhora, o mercado de trabalho continua no geral fraco".

"Os cortes automáticos de gastos precisam ser substituídos por políticas que reduzam o déficit federal de maneira mais gradual no curto prazo, porém mais substancial no longo prazo", afirmou Bernanke.

"Nas atuais circunstâncias, com as taxas de juros de curto prazo já próximas de zero, a política monetária não tem a capacidade de ofuscar totalmente um obstáculo econômico dessa magnitude".

"O desemprego não somente impõe dificuldades para os indivíduos afetados e suas famílias, mas também prejudica a produtividade potencial da economia como um todo, ao prejudicar as habilidades dos trabalhadores e - o que é especialmente importante durante essa fase - evitar que muitos jovens ganhem experiência profissional", comentou.

O presidente do Federal Reserve afirmou que um aperto prematuro da política monetária pode frear ou até mesmo interromper totalmente a atual recuperação da economia dos EUA.

Segundo Bernanke, uma nova fase de fragilidade econômica também produziria riscos para a estabilidade financeira. "Somente uma economia saudável pode gerar crescimento sustentável com altas taxas de retornos para os poupadores e investidores. Assim, a melhor forma de atingir retornos maiores no médio prazo é que o Fed - de maneira consistente com seu mandato - forneça acomodação monetária conforme necessário, para estimular o maior nível de emprego e a estabilidade de preços".

Ele ressaltou que o Fed vai monitorar atentamente os mercados financeiros em busca de sinais de uma tomada de risco excessiva.

Tudo o que sabemos sobre:
FedBernankeEUADesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.