Bernard Madoff é condenado a 150 anos de prisão

O administrador de finanças Bernard Madoff foi condenado a 150 anos de prisão nesta segunda-feira por ter cometido a maior e mais descarada fraude de investimentos da história em Wall Street.

REUTERS

29 de junho de 2009 | 16h18

A sala do tribunal comemorou e aplaudiu a decisão do juiz Denny Chin de impor a sentença máxima possível sobre o réu de 71 anos.

Madoff se manteve encarando o juiz com as mãos enganchadas em frente dele.

"A fraude aqui é inacreditável", disse Chin, depois de ouvir os depoimentos inflamados de algumas das vítimas de Madoff.

Antes de ser condenado, Madoff se dirigiu ao tribunal.

"Eu não posso dar uma desculpa por meu comportamento", disse em uma voz calma. "Como se pode justificar a traição a milhares de investidores que confiaram a mim seu dinheiro poupado durante toda a vida?"

Vestido em um terno escuro, inclinado para frente com as mãos em cima da mesa, ele disse que tentou voltar atrás com seus crimes, mas "quanto mais eu tentava, maior eu cavava o buraco".

"Vivo em um estado de tormenta agora, sabendo a dor e o sofrimento que causei", acrescentou.

Mais cedo, Madoff sentou quieto enquanto suas vítimas contavam diante do juiz como foram arruinadas financeiramente, muitas forçadas a vender suas casas e viver de seguro social.

"Como alguém pode ter feito isso conosco? Como isso pode ser verdade? Não fizemos nada de errado", disse Dominic Ambrosino, um agente penitenciário aposentado de Nova York. "Teremos que vender nossa casa e viver apenas com o seguro social."

"Você deixou para seus filhos um legado de desgraça", disse Tom FitzMaurice, de 63 anos, chamando Madoff de "miserável de baixo nível".

"Ele não mostrou nenhum remorso ... Seu crime foi premeditado e calculado. Ele planejava enganar investidores dias antes de sua prisão. Se pudesse, ele ainda estaria roubando desses investidores", disse FitzMaurice.

"Ele trapaceou e tomou o dinheiro desses investidores para que sua mulher Ruth e seus dois filhos pudessem ter uma vida de luxos", afirmou.

Madoff confessou ter operado um esquema de bilhões de dólares ao "estilo Ponzi", em que investidores recebiam os lucros de dinheiro de seria pago mais tarde por outros investidores.

Os investidores não sabem quanto foi roubado, segundo documentos do tribunal. Promotores afirmam que 170 bilhões de dólares passaram pela principal conta bancária de Madoff ao longo dos anos, e que, semanas antes da prisão do administrador de finanças, o balanço da empresa mostrava um total de 65 bilhões de dólares em diferentes contas.

A curadoria que está cuidando de desfazer a empresa de Madoff arrecadou 1,2 bilhões de dólares para devolver aos investidores.

(Reportagem de Grant McCool)

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSMADOFFSENTENCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.