finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bernardo: crédito superará 50% do PIB no fim de 2010

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse hoje que a concessão de crédito no Brasil atingirá tranquilamente mais que 50% do Produto Interno Bruto (PIB) no final de 2010. Ele lembrou que este porcentual está previsto entre as metas macroeconômicas anunciadas junto com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para o final do próximo ano. Ele disse que o último dado que ele se lembra sobre crédito mostrava que os financiamentos já correspondiam a 47% do PIB. "É um recado bom para a sociedade porque os bancos estão ganhando dinheiro com operações de mercado e com juros mais baratos", afirmou o ministro.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

11 de novembro de 2009 | 12h59

Segundo ele, no passado, os bancos faziam sua margem de lucro emprestando para o setor público com altas taxas de juros e, por isso, não tinham interesse em alargar seus horizontes e emprestar para empresas e pessoas físicas. O ministro disse que, desde 2003, o presidente Lula tem dito que é preciso aumentar o crédito e perseguir taxas mais baixas de juros. Ele afirmou que a criação do crédito consignado foi um grande avanço porque ajudou a baixar os juros cobrados pelo mercado. Ele disse que hoje mais de R$ 100 bilhões foram emprestados por meio do crédito consignado, uma ideia, segundo ele, que foi trazida ao governo pelos sindicalistas.

"Hoje temos taxas bem menores e acho que dá para fazer um esforço ainda maior", disse o ministro, que participou da cerimônia de assinatura de um acordo de cooperação com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil para a oferta de fundos de investimento com característica de previdência privada (VGBL e PGBL) para servidores públicos. Bernardo disse que não se justificam mais taxas de juros elevadas porque a inadimplência é baixíssima.

Por outro lado, o ministro disse que o governo dificilmente conseguirá atingir a meta, também fixada no dia do lançamento do PAC, de atingir 21% do PIB em investimentos no final de 2010. "Aparentemente, ficou mais difícil atingir este patamar", declarou. Bernardo lembrou que, com a crise financeira internacional, os investimentos privados foram reduzidos. Ele disse que já há previsões, como a do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, de que os investimentos ficarão em 19% do PIB neste ano, o mesmo patamar de 2008. Por isso, a meta de atingir 21% do PIB em 2010 estaria prejudicada.

Ao ser questionado se o governo conseguiria realizar todo o PAC este ano para abatimento da meta de superávit primário, Bernardo disse que não há problemas na execução das obras, mas tem dúvidas se todo o PAC poderá ser abatido da meta. Ele explicou que o abatimento só poderá ocorrer do valor desembolsado, ou seja, efetivamente pago, e algumas obras estarão apenas contratadas.

Tudo o que sabemos sobre:
créditoBernardoPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.