Bernardo prevê aumento de 4% no PIB em 2009, apesar de crise

Ministro reduz previsão anterior mas ressalta que não há necessidade de mudanças do Orçamento do País

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

30 de outubro de 2008 | 14h49

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, disse nesta quinta-feira, 30, no Palácio do Planalto, que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 ficará perto de 4%, ante uma estimativa oficial atual de 4,5%. Ele disse que não há necessidade de mudanças no Orçamento por causa da crise financeira mundial. Segundo ele, no final de novembro próximo o governo examinará o quadro para definir se serão necessárias, ou não, alterações no Orçamento, mas, no momento, não há dados que mostrem a necessidade de mudanças. Veja também:Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundo Veja os primeiros indicadores da crise financeira no BrasilLições de 29Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise   "Os números são completamente diferentes: tem gente que fala em 2,5%, ou 3,8%. O FMI (Fundo Monetário Internacional) fala em 3,7%. Eu acho que vamos ficar perto de 4%, talvez um pouco menos, mas isso não é ensejo para fazermos grandes mudanças (no Orçamento)", disse Bernardo, em entrevista após a divulgação do quinto balanço do andamento das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ao responder a uma pergunta sobre eventuais mudanças do governo na proposta de Orçamento por causa da crise, o ministro afirmou que não há dados concretos sobre uma queda na arrecadação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.