Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bernardo: verbas de 2007 podem garantir PAC em 2008

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, informou hoje, no Tribunal de Contas da União (TCU), que o governo federal usará os "Restos a pagar" do Orçamento deste ano para garantir que os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tenham continuidade no início de 2008 caso a proposta de Orçamento para o próximo ano não seja aprovada ainda em 2007 pelo Congresso."O PAC está com um ritmo razoável, e nós não vamos deixar ficar para trás. Os projetos que estão melhor que a média nós vamos reforçar com recursos para entrar janeiro, fevereiro e março. Aí, eu não dependo mais do Orçamento de 2008 para executá-los", explicou o ministro.Paulo Bernardo já havia anunciado, hoje, que o governo decidiu pedir a suspensão da votação da proposta de Orçamento para 2008 até que seja apreciada pelo Senado a emenda que prorroga a vigência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).O ministro disse que o Planejamento está fazendo um "trabalho de formiguinha" na avaliação detalhada das obras que receberão o remanejamento de recursos. "Vou usar o Orçamento de 2007 para reforçar o de 2008", informou. Explicou que os recursos do PAC previstos para 2007 que não forem investidos neste exercício serão incluídos na rubrica "Restos a pagar", que permite ao governo gastá-los em 2008.O ministro não antecipou quanto dos R$ 11,3 bilhões de investimentos previstos para este ano será efetivamente gasto. Bernardo conversou com jornalistas após participar, no TCU, de um seminário sobre educação superior.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

27 de novembro de 2007 | 13h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.