Berzoini ainda não sabe se PIB menor reduzirá empregos

O ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, disse hoje que ainda não é possível saber se a fraca taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre vai influenciar negativamente o mercado de trabalho. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB cresceu 0,3% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao trimestre anterior, e 2,9% em relação ao primeiro trimestre de 2004. Berzoini disse que o governo sabia que o resultado iria ser menos favorável que o do ano passado, que foi "excepcional", segundo ele. O ministro afirmou também que trabalha com a possibilidade de que o PIB tenha crescimento entre 3,5% e 4% neste ano. Proposta O ministro disse que levará ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci, proposta para flexibilizar as regras do Conselho Monetário Nacional (CMN) que estabelecem limites para o endividamento do setor público. O objetivo é permitir que Estados e municípios tomem recursos do FGTS para obras de saneamento. Segundo o ministro, um grupo de trabalho instituído pelo Conselho Curador do FGTS para estudar a área de saneamento chegou à conclusão de que a única forma de viabilizar o investimento no setor é permitir que Estados e municípios possam ter acesso aos recursos. "O FGTS dispõe de R$ 2,7 bilhões neste ano e precisa aplicar esse montante em saneamento", disse Berzoini. Atualmente, o FGTS não consegue emprestar porque esbarra nos limite de endividamento do setor público estabelecidos pelo CMN.

Agencia Estado,

31 Maio 2005 | 17h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.