Berzoini diz que modelo econômico é transitório

O ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, disse hoje que o atual modelo econômico é "um modelo de transição cujo objetivo é estabilizar a relação dívida/PIB". Em discurso a sindicalistas da CUT em São Paulo, ele afirmou que só depois de equacionada a relação dívida/PIB é que o governo poderá liberar investimentos públicos. "Não é possível acreditarmos que só o mercado será capaz de viabilizar os investimentos dos quais o Brasil precisa", afirmou, defendendo o uso do dinheiro público em infra-estrutura e na área social.Berzoini afirmou que todos os ministros receberam orientação do presidente para que ajudem a acelerar a criação de empregos nos centros urbanos, áreas em que o número de desempregados é maior. Os recursos virão dos bancos oficiais e as áreas visadas são habitação e saneamento básico. O ministro informou que nos três primeiros meses do ano foram criados 347 mil empregos formais.O ministro do Trabalho defendeu também a revisão anual e automática da tabela do Imposto de Renda com base na inflação, como vem cobrando as centrais sindicais. Ele afirmou que governo tem consciência da necessidade da mudança nas alíquotas e por isso busca uma solução para o problema. No entanto, ele disse que a sua proposta deve ser executada assim que o governo tiver condições de combiná-la com o orçamento. O ministro afirmou ainda que o atual valor salário mínimo resulta de uma situação herdada do governo Fernando Henrique Cardoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.