BHP tem interesse em ativos de minério de ferro no País

A mineradora anglo-australiana BHP Billiton está interessada em desenvolver negócios no setor de minério de ferro no Brasil, afirmou hoje o presidente da empresa, Ian Ashby. O executivo, que esteve presente à inauguração da terceira pelotizadora da Samarco (que faz parte do grupo em uma joint ventura com a Vale) hoje em Anchieta (ES), disse que a companhia "está atenta a oportunidades e desenvolvimento de negócios no País, mas que por enquanto é só isso"."Estamos dando suporte à Samarco e olhando atentamente as oportunidades", disse. Segundo ele, as perspectivas para o mercado mundial de minério de ferro são muito positivas, mesmo com a crise nos Estados Unidos, que é compensada pelo forte crescimento da China. "A oferta está muito apertada no mercado chinês e a demanda neste momento é muito forte", afirmou.Ele destacou que a mineradora tem interesse em diversos tipos de minerais no Brasil, mas que o minério de ferro "é muito interessante". Aquisições e reservasSegundo o presidente da BHP Brasil, Sebastião Ribeiro, o avanço da BHP Billiton no setor de minério de ferro no Brasil pode ocorrer por meio da compra de outras empresas ou pela exploração de novas reservas. "Temos um time de geólogos procurando reservas e também recebemos propostas de várias empresas júnior", disse o executivo.Segundo ele, a vocação natural da companhia seria procurar e explorar novas reservas, mas existe a possibilidade de fazer aquisições se os ativos forem atrativos. "Se tiver algum bom negócio e alguém quiser vender, vamos avaliar", afirmou. A BHP está procurando ativos no Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, que possui maior tradição no setor e boa infra-estrutura, e em outras regiões, como o Pará.De acordo com Ribeiro, os novos projetos nesta área podem ser feitos por meio da Samarco se as reservas forem próximas à companhia. Caso contrário, os projetos serão feitos individualmente pela BHP.O maior entrave para o crescimento da BHP neste setor no Brasil, segundo ele, não são os preços altos das minas, mas a dificuldade de achar ativos interessantes e com logística adequada. "Não é uma questão de preço", disse.Ele explicou ainda que seria vantajoso para a mineradora possuir mais ativos no País para aumentar a sua diversificação geográfica. Atualmente, as principais reservas da companhia estão na Austrália. "Hoje a demanda está na China, mas já esteve nos Estados Unidos e na Europa", afirmou.A BHP está investindo no Brasil em alumínio, por meio da sua participação na Alumar, que está ampliando a produção de 1,5 milhão de toneladas para 3,5 milhões de toneladas. "Também estamos procurando reservas de bauxita", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.