BHP torna hostil oferta de US$ 38,6 bilhões para comprar a Potash

Conselho da fabricante de fertilizantes canadense rejeitou a proposta inicial de compra pela mineradora

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

18 de agosto de 2010 | 08h35

A BHP Billiton anunciou que fará sua oferta de US$ 38,6 bilhões direto aos acionistas da Potash Corp. of Saskatchewan, após o conselho de administração da fabricante de fertilizantes canadense ter rejeitado a proposta inicial de compra não solicitada da mineradora anglo-australiana. Às 8h15 (de Brasília), as ações da BHP recuavam 1,98% em Londres, enquanto as da Potash Corp. caíam 0,11% no pré-mercado em Nova York.

O chefe-executivo da BHP, Marius Kloppers, apresentou a oferta não solicitada ao chefe-executivo da Potash Corp., William J. Doyle, no dia 12 de agosto e foi dito que a empresa não estava à venda, disse a mineradora em comunicado. Uma carta subsequente do chairman da companhia, Jac Nasser, reiterando a proposta, foi descrita como "totalmente inadequada" na terça-feira pelo conselho de administração da empresa canadense.

A BHP disse que sua oferta de US$ 130 para cada ação da Potash Corp. representa um prêmio de 20% em relação ao preço de fechamento do papel no dia 12 de agosto e um prêmio de 32% em relação à média de preço da ação nos 30 dias anteriores à apresentação da proposta.

Nós acreditamos firmemente que os acionistas da Potash Corp. acharão a oferta muito atraente e nós decidimos, portanto, fazer a proposta diretamente a eles, afirmou Nasser em comunicado.

A oferta, que depende da aprovação de no mínimo 50% dos acionistas da Potash Corp., será iniciada formalmente por meio de anúncios em jornais no dia 20 de agosto e será encerrada em 19 de outubro, a menos que seja prorrogada, ressaltou a BHP. A proposta está condicionada, contudo, à retirada do Plano de Direitos de Acionistas, também chamado de "poison pill", aprovado na terça-feira pela Potash Corp. a fim de se proteger contra ofertas hostis.

Segundo o plano, a Potash Corp. seria autorizada a vender ações adicionais mais barato para seus atuais acionistas no caso de um único acionista da empresa aumentar sua participação acima de 20%.

O "poison pill", que depende de aprovação de órgãos reguladores, torna mais difícil e mais caro para a empresa hostil adquirir uma participação e conquistar o controle da Potash Corp.

A mineradora disse que a aquisição acelerará sua entrada na indústria de fertilizantes e será consistente com sua estratégia de se tornar uma líder mundial na produção de potássio, por meio da combinação das operações da Potash Corp. e de seus ativos de potássio subdesenvolvidos em Saskatchewan, Canadá.

Segundo Kloppers, o negócio diversificará futuramente os ativos da BHP em commodities, geografia e clientes.

A proposta de compra da BHP também está sujeita à aprovação de órgãos reguladores e dos acionistas da mineradora. As informações são da Dow Jones. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.