BID aprova US$ 430 milhões para construção de terminal em Santos

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aprovou empréstimo de US$ 430 milhões, que será rateado com bancos privados, à Empresa Brasileira de Terminais Portuários (Embraport), controlada pela Odebrecht, para construção, operação e manutenção de um terminal no Porto de Santos.

IURI DANTAS , RENATO ANDRADE / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2011 | 03h06

A empresa deve concluir no ano que vem o empreendimento para movimentar contêineres de etanol. Os bancos WestLB, HSBC, Caixa Geral de Depósitos e Santander serão responsáveis por US$ 330 milhões do financiamento, que deverá ser pago em 12 anos, de acordo com informações obtidas pelo Estado. O BID entrará com os US$ 100 milhões restantes, a ser quitado em 15 anos. O anúncio oficial da operação deve ser feito hoje.

A Caixa Econômica Federal emprestará outros R$ 633 milhões, via BNDES. A operação da Caixa e do BID vai financiar a primeira fase do terminal, para movimentação de etanol, com capacidade acima de 1 milhão de contêineres. Com o fim da primeira fase, a espera de navios fora do porto diminuirá e embarcações maiores poderão atracar na área.

Controvérsia. A instalação do terminal privado de multiuso provocou polêmica em 2009, quando o Grupo Coimex - que liderava o projeto - vendeu 51,4% do capital à Odebrecht Investimentos em Infraestrutura (OII) e à Dubai World, uma das maiores operadoras de terminais marítimos do mundo. Além dessas duas empresas, o Fundo de Investimentos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) aplicou R$ 462,5 milhões no projeto, garantindo participação acionária de 33,33%.

A Associação Brasileira dos Terminais de Contêineres de Uso Público (Abratec), que reúne empresas do setor privatizadas nos anos 1990, questionou a mudança societária. Apesar disso, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou no ano passado, por unanimidade e sem restrições, a mudança no controle da empresa. O novo terminal deve criar cerca de 3,5 mil empregos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.