BID defende investimentos públicos e privados em infra-estrutura

O chefe da divisão de Infra-estrutura e Mercados Financeiros do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) Pietro Masci defendeu, em palestra na 35ª Reunião da Assembléia Geral da Associação Latino Americana de Instituições Financeiras para o Desenvolvimento (ALIDE), no Rio, a união de investimentos públicos e privados para empreendimentos em infra-estrutura na América Latina. Ele explicou que, durante os anos 90, vários países da América Latina promoveram privatizações e liberalizações de importantes setores de suas economias. "Mas os resultados disso não foram os esperados", disse, considerando que não houve taxas de crescimento econômico expressivas, originadas especificamente dessas ações. Nesse cenário, nos últimos 10 a 15 anos, os investimentos públicos em infra-estrutura diminuíram de patamar e essa lacuna não foi preenchida - visto que essa redução de investimentos públicos não foi acompanhada de crescimento dos aportes do setor privado. Masci considerou ainda que, agora, precisa ocorrer uma complementaridade entre investimentos públicos e privados para o desenvolvimento do setor de infra-estrutura na América Latina. Outro ponto ressaltado pelo executivo em sua palestra foi a necessidade de estímulos aos sistemas financeiros desses países. "Uma das tarefas mais importantes do BID é o desenvolvimento do sistema financeiro (dos países) para que os recursos possam ser canalizados de forma apropriada", disse. Masci também lembrou que, com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico dos países latino-americanos, o BID trabalhou em parcerias com vários bancos de fomento da região. Ele lembrou que o banco canalizou uma quantia significativa de recursos aos bancos de desenvolvimento latino-americanos, "dos quais o BNDES é o mais poderoso da região".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.