BID discute como enfrentar crises e pobreza

A recuperação do crescimento econômico, novos mecanismos de empréstimos, além de desenvolvimento regional, tecnologia, competitividade empresarial e redução da pobreza, estão entre os principais temas que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) debaterá durante a sua 44ª Assembléia Geral de Governadores a ser realizada entre os dias 24 e 26 de março em Milão, na Itália. No ano passado, a reunião anual, principal foro internacional sobre temas de desenvolvimento para a América Latina e o Caribe, foi realizada em Fortaleza (CE).Os governadores do BID, composto pelos ministros de Economia e Finanças ou presidentes dos Bancos Centrais de 46 países membros (28 do Hemisfério Ocidental, 16 da Europa, um da Asia e outro do Oriente Médio) desse organismo multilateral de financiamento, vão ainda analisar estratégias para enfrentar as crises econômicas e financeiras desencadeadas a partir do ano passado em muitos países da América Latina e o Caribe.De acordo com a assessoria do BID, esses aspectos serão examinados em várias reuniões e em cinco seminários oficiais que começarão já no dia 20 de março, quando deverão ser realizadas também conferências paralelas organizadas por outras instituições e organismos não governamentais (ONGs). Durante a assembléia, o BID vai ainda revisar o seu informe anual. O BID espera a participação de centenas de banqueiros, executivos de grandes conglomerados empresariais, especialistas em desenvolvimento, representantes de governos, acadêmicos e representantes da sociedade civil.O BID, fundado em 1959, é hoje a principal fonte multilateral de financiamento para o desenvolvimento da América Latina e o Caribe. Até o dia 1 de janeiro, por exemplo, o organismo já havia aprovado empréstimos que somam mais de US$ 117 bilhões para projetos que tinham um custo total de US$ 281 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.