BID quer novos mecanismos contra crises de emergentes

O Banco Interamericano de Investimentos (BID) fez neste sábado um alerta sobre a necessidade de encontrar novos métodos para evitar crises financeiras na América Latina, aproveitando a boa conjuntura econômica na região. Esta é a conclusão mais importante de um estudo elaborado pelos economistas do banco e apresentado em um dos atos oficiais prévios à Assembléia Anual do BID, que acontecerá entre as próximas segunda e quarta-feira em Belo Horizonte. O estudo "Instrumentos de dívida e políticas no novo milênio: Novos mercados e oportunidades" coloca várias alternativas para melhorar a arquitetura financeira global. Sugere, por exemplo, a possibilidade de abrir facilidades de crédito preventivo para enfrentar eventuais necessidades de liquidez. Outra possibilidade seria criar "fundos de estabilização", ou seja, fundos destinados a comprar bônus de países em desenvolvimento quando seus preços caírem por causa de pânico nos mercados, para depois vendê-los gradualmente, à medida que se acalmassem os ânimos dos investidores. Desde 2004, o BID lançou 19 emissões de bônus em reais, pesos chilenos, pesos colombianos e pesos mexicanos. Lições do passado Na apresentação deste documento, o presidente do BID, Luis Alberto Moreno, ressaltou que, embora a América Latina esteja passando por um bom momento do ponto de vista financeiro, não deve esquecer as lições do passado recente. "Uma resposta eficaz requer novos métodos para conduzir melhor os riscos aos quais estão expostas as economias emergentes", afirmou. O desafio para os países da região consiste, na sua opinião, em "desenvolver novas alternativas agora, nos bons tempos, que servirão quando for preciso atravessar águas turbulentas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.