MARCO AMBROSIO
MARCO AMBROSIO

BID vai garantir PPPs em São Paulo

Banco Interamericano de Desenvolvimento vai participar de empresa criada pelo governo do Estado para dar garantia aos projetos

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2015 | 02h03

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) participará da companhia criada pelo governo de São Paulo para dar garantias a projetos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) no Estado, o que tem o potencial de reduzir os juros e ampliar a capacidade de financiamento das obras. O mesmo modelo deverá ser replicado com o governo federal, que organiza um fundo garantidor para PPPs em todo o País.

Ricardo Carneiro, diretor executivo do Brasil no BID, disse que ainda não há uma definição dos valores que serão garantidos pela instituição. Atualmente, o banco tem um fluxo anual de empréstimos para o País de US$ 2,2 bilhões. O que se discute é quanto desse valor será utilizado para garantir os financiamentos destinados às PPPs, observou.

De acordo com Carneiro, mesmo que não haja um desembolso, esses recursos são tratados como empréstimos e ficam reservados no BID para a eventualidade de a operação garantida não ser paga. Nessa hipótese, o banco é obrigado é honrá-la. Como a classificação de risco do BID é a mais alta possível, a sua participação ajuda a reduzir o risco e, por consequência, a taxa de juros cobrada nos financiamentos das obras. Além disso, a contrapartida eleva a capacidade de captação de recursos. 

"A garantia do BID reduz o custo de captação e aumenta a alavancagem dos projetos", afirmou Carneiro. Segundo ele, a prioridade do banco e do governo brasileiro é a obtenção de financiamento para obras de infraestrutura, essenciais para a retomada do crescimento do País. 

Essas operações são dificultadas pela natureza dos projetos, que exigem garantias de pagamento de longo prazo. O assunto será discutido em Brasília no fim do mês em reunião que terá presença do BID e de outros organismos multilaterais, entre os quais o Banco Mundial e o Banco dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), disse Carneiro. O objetivo é que todos participem do fundo garantidor dos projetos, afirmou.

O Estado de São Paulo foi o primeiro a fechar um acordo do tipo com o BID, durante encontro nesta segunda-feira em Washington entre o governador Geraldo Alckmin e o presidente da instituição, Luiz Alberto Moreno. O banco também concordou em dar financiamento de R$ 10 milhões para modelagem e seleção de projetos de PPPs no Estado. Segundo Carneiro, São Paulo responde por cerca de 40% das operações de crédito do BID no Brasil. 

"A grande dificuldade hoje é crédito, e crédito mais barato", declarou o governador em entrevista coletiva depois da reunião com Moreno. Alckmin observou que a participação do BID reduzirá o custo de captação de recursos para os projetos. "Se nós emprestarmos R$ 100 milhões com 2% de juros mais baratos, isso significa uma economia de R$ 14 milhões em 20 anos", exemplificou.

Parcerias. Alckmin disse que pretende usar parcerias com o setor privado em cinco áreas: transporte e logística; saneamento e recursos hídricos; habitação; saúde; e educação. Na quarta-feira, ele participará de seminário com empresários em Nova York, no qual apresentará as possibilidades de investimentos em São Paulo. O evento terá a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que será homenageado nesta terça-feira em Nova York ao lado do ex-presidente Bill Clinton. 

Carneiro disse que uma equipe do BID já está trabalhando com o governo federal no Brasil para estruturar projetos de concessões e PPPs. A colaboração foi definida no mês passado pelo secretário executivo do Ministério do Planejamento, Claudio Puty. 

Além de participar do fundo garantidor federal, o BID também dá treinamento às pessoas envolvidas na montagem das operações. "O Brasil tem uma imensa demanda insatisfeita na área de infraestrutura", ressaltou Carneiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.