Bill Gates convence 40 bilionários a doar metade da fortuna nos EUA

Criada em parceria com Warren Buffett, iniciativa pretende gerar US$ 600 bilhões em fundos para atividades filantrópicas

AP e Reuters, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2010 | 00h00

Convencimento. Warren Buffet e Bill Gates promoveram jantares para que outros bilionários decidissem doar seu dinheiro 

 

 

 

 

 

 SEATTLE

Bill Gates, cofundador da Microsoft, e o investidor Warren Buffett conseguiram convencer 40 bilionários a doar pelo menos metade de sua riqueza à caridade. Ontem, Buffett, presidente da Berkshire Hathaway, divulgou a primeira lista da organização Giving Pledge, após seis semanas do início da campanha.

"Tivemos um ótimo começo", disse Buffett. Entre os que assinaram a lista estão o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg; o cineasta George Lucas; o empresário da mídia Ted Turner; o presidente da Oracle, Larry Ellison; e Paul Allen, cofundador da Microsoft.

A Giving Pledge não recebe dinheiro, apenas pede aos bilionários que assumam o compromisso moral de doar sua riqueza para finalidades beneficentes. Segundo a fundação, o compromisso assumido pelos doadores não é contratual.

Em 2006, Buffett decidiu doar 99% de sua fortuna. Na época, ele tinha cerca de US$ 44 bilhões. Depois de cinco anos em que fez doações anuais para cinco fundações, Buffett tem quase US$ 46 bilhões.

O casal Bill e Melinda Gates realiza a maior parte da atividade filantrópica por meio de sua própria fundação, que tinha US$ 33 bilhões em ativos em 30 de junho, e doou pelo menos US$ 22,93 bilhões desde 1994.

Buffett disse que ele, o casal Gates e outros fizeram de 70 a 80 telefonemas para algumas das pessoas mais ricas dos Estados Unidos.

Aqueles que concordaram em participar são de 13 estados americanos, sendo a maioria da Califórnia e de Nova York. Alguns não estão na lista porque preferem ficar anônimos.

Recrutamento. Muitos da lista se comprometeram a recrutar outros participantes e, nos próximos meses, marcarão jantares para falar da campanha. Buffett acrescentou que ele e Gates terão encontros com chineses e indianos ricos nos próximos seis meses, para falar de filantropia.

"Todo mundo tem seus próprios interesses", disse Michael Bloomberg, prefeito de Nova York, cuja fortuna é estimada em US$ 18 bilhões pela revista Forbes. "Isso é que é maravilho na filantropia privada. Sempre achei que seus filhos podem se beneficiar mais de sua filantropia que de seu testamento."

Gates e Buffett estimam que seus esforços irão gerar US$ 600 bilhões para caridade. Em 2009, as entidades filantrópicas dos EUA receberam cerca de US$ 300 bilhões em doações, segundo o jornal The Chronicle of Philanthropy.

Stacy Palmer, editora do Chronicle, ficou surpresa com a velocidade com que a ideia dos bilionários está sendo aceita. "Considero impressionantemente rápido que tantas pessoas venham a público com seu compromisso. O mundo da filantropia costuma se mover muito lentamente", disse Palmer.

A editora destacou que muitos nomes na lista são de pessoas conhecidas por sua generosidade filantrópica. Ela afirmou que ficará mais animada quando ver nomes que nunca apareceram em listas de grandes doadores.

Em carta à Giving Pledge, Larry Ellison, da Oracle, informou que não costumava divulgar suas doações: "Então por que estou tornando isso público agora? Warren Buffet pediu pessoalmente para que eu escrevesse esta carta para dar o exemplo e influenciar outros a doar. Espero que ele esteja certo".

Gates e Buffett pedem que os bilionários não somente assumam o compromisso de doação, mas que distribuam esse dinheiro de forma inteligente e que aprendam com seus pares.

Motivos

MICHAEL BLOOMBERG

PREFEITO DE NOVA YORK

"Sempre achei que seus filhos podem se beneficiar mais de sua filantropia que de seu testamento."

LARRY ELLISON

PRESIDENTE DA ORACLE

"Warren Buffet pediu pessoalmente para que eu escrevesse esta carta para dar o exemplo e influenciar outros a doar."

STACY PALMER

EDITORA DO JORNAL THE CHRONICLE OF PHILANTHROPY

"Considero impressionantemente rápido que tantas pessoas venham a público com seu compromisso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.