Jim Young/Reuters
Jim Young/Reuters

Bill Gross processa Pimco e pede US$ 200 milhões por quebra de contrato

Ex-diretor da gestora de recursos alega ter sido alvo da 'ganância' de executivos da companhia

O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2015 | 09h27

O bilionário Bill Gross entrou com processo contra sua ex-empregadora, a Pacific Investment Management (Pimco) e sua controladora, a Allianz SE, na quinta-feira, 8, alegando quebra de contrato. O investidor solicita o pagamento de ao menos US$ 200 milhões no processo, apresentado em um tribunal da Califórnia.

Gross afirma que diretores fizeram uma manobra para retirá-lo da empresa por causa de "poder, ganância e um desejo de melhorar sua própria posição financeira", segundo documentos do tribunal.

Cofundador da Pimco e ex-diretor de investimentos do fundo, Gross deixou inesperadamente a companhia em setembro de 2014, após desavenças com outros executivos da empresa, informou o Wall Street Journal na ocasião.

A advogada de Gross declarou que o bilionário pretende destinar os US$ 200 milhões para caridade, incluindo em sua lista a Pimco Foundation, braço da gestora de recursos. (Com informações da Reuters e da Dow Jones Newswires).

Mais conteúdo sobre:
Bill GrossPimco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.