Biocombustível é 'bode expiatório', diz comissária da UE

Segundo ela, representam influências maiores fatores como aumento da demanda por parte dos emergentes

Deise Vieira, da Agência Estado,

06 de maio de 2008 | 09h20

Os biocombustíveis estão sendo usados como "bode expiatório" para explicar o repentino aumento dos custos dos alimentos, afirmou nesta terça-feira, 6, a comissária agrícola da União Européia, Mariann Fischer Boel. "Os preços dos cereais caíram pela metade em termos reais desde 1975, mas agora estão subindo, e as pessoas estão preocupadas", disse ela. "A enxurrada de comentários da mídia sobre os biocombustíveis tem se tornado maior e maior, e chegou a um ponto em que agora é difícil ouvir um debate real sobre o assunto", acrescentou.   Veja também:  BH tem maior alta nos alimentos  Pane em sistema limita leilão de arroz de estoque público  Disparada nas commodities agrícolas atrai grandes bancos  Fome já atinge 100 milhões no planeta  Entenda a crise dos alimentos  Segundo ela, representam influências maiores sobre os preços fatores como aumento da demanda por parte de países emergentes, o clima adverso que reduziu a produção global nas duas últimas temporadas e o crescimento do interesse especulativo.Análises da comissão mostram que a meta do bloco para que cada país membro adote uma mistura de 10% de biocombustíveis até 2020 não irá pressionar excessivamente os recursos de terra para o mercado de alimentação e de ração.De acordo com essas análises, os aumentos de produtividade irão gerar um adicional de 34 milhões de toneladas de cereais até 2020. A comissão também espera que combustíveis de segunda geração correspondam a 30% da demanda por biocombustível do bloco até 2020. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.