finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bird aponta lentidão no processo para negócios em países pobres

No estudo "Fazendo Negócios em 2005: Removendo Obstáculos para o Crescimento", o Banco Mundial e o International Finance Corporation (IFC) concluíram que, em média, as empresas em países ricos precisam cumprir com oito procedimentos (administrativos ou burocráticos), ter o equivalente a 8% da renda per capta, e demoram 27 dias para começar a operar. Já as empresas em países pobres precisam cumprir com 11 procedimentos, ter o equivalente a 122% da renda per capta, e demoram 59 dias para começar a operar."Países pobres que precisam desesperadamente de novos empreendimentos e de emprego correm o risco de ficar ainda mais atrás dos países ricos, os quais estão simplificando regulamentações e tornando o clima para investimentos mais amigável", afirmou o economista-chefe do IFC e vice-presidente do departamento de Desenvolvimento do Setor Privado do Banco Mundial/IFC, Michael Klein.Entre outras conclusões, o estudo aponta para a dificuldade de acesso a crédito em países pobres. Segundo o levantamento, a pobre legislação de falências leva à falta de crédito em muitos países: em 50 países, os credores conseguem recuperar menos de 20 centavos em cada dólar quando uma empresa vai a falência.

Agencia Estado,

08 de setembro de 2004 | 16h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.