Bird diz que autonomia do BC não é questão de vida ou morte

?Não é uma questão de vida ou morte? formalizar em lei ?a autonomia de fato? que o Banco Central brasileiro ?já tem há alguns anos??, afirmou o economista-chefe do Banco Mundial (Bird) para América Latina e Caribe, Guillermo Perry, num seminário no Rio de Janeiro. De acordo com ele, ?a autonomia também de direito é desejável?, mas o fundamental é ter autonomia de fato e isto está sendo percebido no Brasil.Perry considera que o Brasil deve ?consolidar a autonomia das agências reguladoras?, continuar os esforços de melhorar os fundamentos macroeconômicos e melhorar a educação. Ele citou que as reformas microeconômicas como as para melhorar o crédito e o ambiente empresarial também são muito importantes.De acordo com ele, ?não há milagre no curto prazo? para fazer o Brasil crescer acima da média da América Latina este ano, esperada entre 3,5% e 4% e que no ano que vem o crescimento do País deve ficar também nessa faixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.