Bird pode liberar US$ 150 milhões para Argentina

O Banco Mundial (Bird) previu hoje que a concessão de empréstimos para a Argentina retorne a níveis "normais" em breve e anunciou que pode liberar até US$ 150 milhões para o governo argentino nos próximos três meses. A medida reflete a decisão do governo do país sul-americano de amenizar as restrições que foram impostas aos depósitos bancários em dezembro, o que diminuiu o fluxo de recursos do Bird. O Banco Central da Argentina permitiu recentemente que contas bancárias para projetos do Bird sejam mantidas em dólares, segunda uma porta-voz do Bird. O Banco Mundial disse que não vai considerar novos empréstimos para a Argentina até que o governo do país firme um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para um novo pacote de resgate. O FMI quer que as autoridade argentinas promovam uma série de duras reformas econômicas como condição prévia para novos empréstimos. O Bird, contudo, ainda não liberou todos os empréstimos que já haviam sido aprovados anteriormente - fundos acumulados somam US$ 1,3 bilhão. Myrna Alexander, diretora do Banco Mundial responsável pela Argentina, disse que o Banco está ajudando as autoridades do país a realizar reformas bancárias e reestruturações corporativas para acelerar o andamento das negociações com o FMI. "O apoio do FMI permitiria que o país reconquistasse acesso completo à assistência financeira do Banco, incluindo novos empréstimos", explicou Alexander, acrescentando que o Banco poderá liberar até US$ 670 milhões em fundos emergenciais destinados para a crise social depois que a Argentina firmar um plano de resgate junto ao Fundo. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.