Justin Lane/EFE
Justin Lane/EFE

Black Friday 2019: ‘Antecipação pode prejudicar os descontos da data’, diz economista do Idec

Ficar atento aos prazos de entrega, priorizar a segurança nas compras online e não fugir do planejamento financeiro são algumas dicas para aproveitar a data de promoções; veja mais dicas

Entrevista com

Ione Amorim, economista do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec)

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2019 | 21h27

Com tantas antecipações de descontos, do chamado Black November à Black Week, fica difícil saber quando começa, de fato, a Black Friday 2019. A economista do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Ione Amorim diz que essas antecipações podem derrubar os parâmetros do consumidor para saber se as ofertas são efetivas e até confundir a respeito de qual seria o melhor momento para a compra. 

“Essa jogada comercial pode enfraquecer a data. Além disso, se um comprador aproveitar uma das ofertas antecipadas e depois verificar que o desconto aumentou na sexta-feira, no próximo ano, ele não vai ter a mesma atitude”, diz Ione.

Ela explica que, no caso de verificar que o produto foi comprado com um desconto menor do que na sexta-feira de promoções, o consumidor deve fazer reclamações na loja. “Legalmente, não há como reclamar. Foi o preço do fechamento do negócio. Mas, moralmente, há. Já que a loja garantiu que aquele seria o melhor preço e não foi. Fazer essas reclamações é importante para que essa data de promoções também evolua”, diz.

Assista a entrevista completa e confira os principais pontos da conversa com Ione Amorim abaixo:

É mais seguro comprar nas lojas físicas? 

A possibilidade de comprar online e retirar na loja física é uma segurança a mais para o consumidor, uma garantia de que ele vai ter acesso ao produto mais rapidamente, já que um dos maiores problemas no comércio eletrônico são os prazos de entrega. Esse período de maior demanda, porém, não isenta as empresas de e-commerce de informar o prazo real no momento da compra. Se você vai comprar um presente para o Natal, por exemplo, e o prazo de entrega é de 30 dias, é um risco muito grande esperar pela entrega dessa compra online, sabendo do histórico de reclamações por descumprimento de prazo. Além da maior rapidez para obter o produto, ver os artigos de perto pode trazer mais segurança para quem compra. No entanto, as promoções no comércio tradicional e online podem ter diferenças para mais ou para menos.

Como reconhcer um bom desconto?

Quem se beneficia das promoções é quem se planeja, monitora preços e já conhece o produto que quer comprar. Na semana que antecede a data de promoções, os preços já estão contaminados. A solução é buscar aplicativos que fazem o monitoramento de preços para verificar se houve alta nos últimos meses. Sendo assim, os descontos devem ser maiores que a alta verificada para valerem a pena. Além disso, se alguma oferta fora da curva aparecer, é preciso se atentar à confiabilidade da loja responsável e à qualidade do produto.

Até quando vale a pena esperar pelos descontos de Black Friday? Vale a pena investir nas promoções antecipadas?

Pelos custos que envolvem os produtos no país, descontos de 90%, por exemplo, são difíceis de acontecer. Logo, se a oferta diminui o preço em 50% e 60%, e esse valor atende as necessidades de quem compra, esse pode ser um bom negócio. No caso de encontrar um desconto maior na sexta-feira, na mesma loja da compra com desconto antecipado, o consumidor pode fazer reclamações. Legalmente, não há como reclamar. Foi o preço do fechamento do negócio. Mas, moralmente, há. Já que a loja garantiu que aquele seria o melhor preço e não foi. Fazer essas reclamações é importante para que essa data de promoções também evolua.

Para Entender

Black Friday 2019: tudo o que você precisa saber

Confira dicas e curiosidades sobre a maior campanha de vendas promocionais no comércio online e varejo físico do Brasil, que este ano ocorre no dia 29 de novembro.

Como garantir a segurança em lojas online?

Acessar sites seguros, digitar o endereço correto das lojas em vez de procurar os produtos em sites de busca e conferir se há o desenho de um cadeado ao lado do link da página são as dicas mais básicas. Além disso, fazer a captura de tela e salvar a imagem com o desconto oferecido pode ser respaldo em futuras reclamações. O preço anunciado pode mudar ao final da compra, com a justificativa de que a propaganda era destinada a quem já tinha determinado cartão ou nível de fidelização com a loja. Por isso, é preciso ficar atento até a última etapa do pagamento e guardar os registros das ofertas.

O que mais vale a pena comprar na Black Friday?

Celulares e eletroeletrônicos são os mais procurados e, também, os produtos que costumam oferecer melhores condições na data. Ainda assim, a pesquisa é a maior garantia do consumidor para saber se a oferta vale a pena. A dica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) é que os descontos precisam superar o aumento médio de 7% em relação ao piso observado nos últimos 40 dias para telefones celulares; 8% para eletrodomésticos; 9% para móveis e artigos de decoração; 9% para artigos de moda e acessórios; 10% para equipamentos de informática.

Tudo o que sabemos sobre:
Black FridayIdeccomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.