Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Black Friday: entre os que pretendem aproveitar descontos, 15% vão comprar pela 1° vez em 2020

Para o diretor de Novos Negócios da Kantar Ibope Media, avanço do e-commerce durante a pandemia pode explicar a adesão maior de compradores este ano

Luciana Lino, especial para o Estadão

03 de novembro de 2020 | 17h49
Atualizado 03 de novembro de 2020 | 20h28

Segundo o levantamento Data Stories, realizado pela Kantar Ibope Media e referente ao mês de outubro deste ano, 46% dos entrevistados pretendem comprar na Black Friday de 2020. Dentro desse porcentual, 15% dos consumidores vão fazer a sua primeira compra na data comercial, cuja campanha chegou ao Brasil em 2011.

De acordo com o diretor de Novos Negócios da Kantar Ibope Media, Paulo Arruda, o impulsionamento do e-commerce durante a pandemia é um motivo que pode explicar essa adesão. “Depois de 66 dias, um comportamento de consumo pode se transformar em um hábito. Durante a pandemia, as pessoas passaram a utilizar aplicativos com mais frequência, fazendo com que uma série de novos consumidores entrassem nesse modelo”, diz. 

A pesquisa também fez um recorte geográfico dentro do porcentual de consumidores que desejam comprar pela primeira vez na Black Friday. Segundo o levantamento, que considerou 13 mercados comerciais do País, Fortaleza apresenta o maior porcentual de novos compradores: 24%

Segundo Arruda, a pretensão de fazer compras não é linear em todas as praças. “O ponto de atenção para as marcas e para o e-commerce é entender as particularidades de cada mercado, porque temos diferentes ‘Brasis’. De repente, a comunicação dessas marcas terá que ser diferenciada (para cada Estado)”, afirma. 

Regiões metropolitanas e porcentual de novos compradores na Black Friday, segundo o Kantar IBOPE

  • Fortaleza - 24% 
  • Recife - 19% 
  • Florianópolis - 18% 
  • Campinas - 17% 
  • Curitiba - 16% 
  • Distrito Federal - 15% 
  • Goiânia - 15% 
  • São Paulo - 14% 
  • Salvador - 14% 
  • Rio de Janeiro - 13% 
  • Vitória - 13% 
  • Belo Horizonte - 12% 
  • Porto Alegre - 10%

'Maior Black Friday para a história do e-commerce'

Para Arruda, os números apontam que esta será a maior edição da Black Friday em termos de e-commerce, devido ao aumento de compras online impulsionado pela pandemia.

Entre os produtos que os entrevistados pretendem comprar estão eletrônicos, citados por 54%, eletrodomésticos (43%), roupas (38%), calçados (32%) e itens da linha branca (20%).

O digital também tem influenciado a publicidade da Black Friday. De acordo com o levantamento, houve um aumento de 50% nas impressões dos usuários nos sites e nas redes sociais, em relação a outubro de 2019 - isso indica quanto o consumidor foi afetado por uma publicidade sobre a data.

Por outro lado, Arruda acredita que será possível observar um modelo híbrido de compra e venda durante a data comercial. “Não acho que os consumidores vão abandonar a loja física, porque estamos em um momento mais flexível da pandemia e houve um aumento das pessoas indo às lojas. Acredito que haverá uma complementaridade dos dois modelos”, diz.

O diretor de Novos Negócios do Kantar Ibope Media também aposta na complementaridade em relação à publicidade. Outra tendência que deve ser observada na Black Friday 2020 é o omnichannel, ou seja, a presença das marcas e dos consumidores em diferentes canais. Segundo o Data Stories, 69% dos entrevistados se lembram de ter visto publicidade referente à Black Friday na televisão, 42% disseram ter visto em sites e 35%, em redes sociais. “O consumidor está presente em todos esses pontos, e está mais atento a todos esses canais”, afirma.

A Kantar Ibope Media entrevistou 14.407 pessoas para esse levantamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.