Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Vendas da Black Friday crescem 4,7% em 2018

Dados da Boa Vista SCPC mostram que vendas de terça-feira a sábado da semana passada superaram expectativa, que era de 4,5% de aumento em relação a 2017

Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2018 | 13h30

As vendas no período da Black Friday de 2018 superaram as expectativas, de acordo com a Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (Boa Vista SCPC). O volume de transações cresceu 4,7% em relação à Black Friday de 2017. A estimativa da empresa para o evento era de 4,5% de alta. 

O período de análise do levantamento da Boa Vista SCPC leva em consideração a semana de 20 a 24 de novembro (terça-feira a sexta). Os números foram comparados com a semana do evento de 2017, que foi de 19 a 23 de novembro. 

A estimativa de vendas é ainda maior quando considerada apenas a sexta-feira, 23. A Boa Vista SCPC afirma que as vendas cresceram 5,9%, comparando com o ano anterior. Os itens mais comprados pelo consumidor foram smartphones e eletrodomésticos. 

O economista da Boa Vista SCPC Flávio Calife afirma que este porcentual é um bom crescimento para a Black Friday. O levantamento da entidade mostra que datas importantes do comércio brasileiro, como Dia das Mães e Páscoa, cresceram abaixo do evento - importado da cultura americana - com 4% e 3,2%, respectivamente. 

Com estes números, a Black Friday já figura como a segunda maior data do comércio brasileiro, superando o Dia das Mães e ficando atrás apenas do Natal. No e-commerce, a data é a mais rentável na venda de produtos tecnológicos, como celulares, televisores e computadores.

Isto, segundo Calife, aliado ao crescimento do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), divulgado nesta segunda-feira, pela FGV, aumenta as expectativas para as vendas do natal. O ICC-FGV registrou que o consumidor está 7,1 pontos mais confiante em novembro, em relação ao mês anterior. O marcador foi de 86,1 pontos, em outubro, para 93,2, em novembro.

"O Brasil está passando por um otimismo por parte do consumidor. Isso tem impacto nas vendas, o que acaba melhorando a expectativa para o natal", explica. A empresa ressalta que o movimento na Black Friday reflete melhoras no mercado de trabalho e, especialmente, no mercado de crédito. / COLABOROU MÁRCIO RODRIGUES

Mais conteúdo sobre:
comércioBlack Friday

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.