finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Black Friday cresce e reclamações também aumentam

Previsão é de receita ter dobrado em relação a 2012, mas queixas em relação à estrutura das lojas e aos preços também tiveram alta

Anna Carolina Papp, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2013 | 22h07

Se neste ano a missão das empresas na Black Friday, evento de megapromoções do comércio eletrônico e do varejo, era apagar a imagem de "Black Fraude", para 2014, ganharam mais uma tarefa: turbinar sua infraestrutura para que os sites possam dar conta de atender à multidão de pedidos, cerca de 1 milhão, segundo estimou a E-bit.

De acordo com levantamento do Reclame Aqui, cujo site exibia denúncias do evento em tempo real, os falsos descontos, que no ano passado representaram 47% das 8 mil reclamações recebidas nas 24 horas Black Friday, desta vez foram para o terceiro lugar na lista de queixas.

"A principal reclamação, disparado, era que as pessoas nem sequer conseguiam acessar os sites das empresas, que caíam ou ficavam fora do ar", afirma Maurício Vargas, presidente da instituição. Até o fim da tarde desta sexta-feira, o Reclame Aqui estimava receber 10 mil reclamações ao longo das 24 horas do evento.

A segunda maior queixa vem de consumidores que conseguiam acessar o portal, mas não completar a compra. Os três sites com mais reclamações no ranking foram Extra.com, Ponto Frio.com e Submarino.com.

Foi o caso da nutricionista Juliana Bertrand, de 35 anos, que fez várias tentativas no site da Brastemp ao longo da madrugada, mas sem sucesso. "Tentei comprar uma máquina pela internet, mas estava um parto." No Walmart Pacaembu, ela comprou uma panela de arroz, uma sanduicheira e um ferro de passar roupa. "Há algumas ofertas boas. Mas, no geral, é muito marketing e pouco preço bom."

Vargas, do Reclame Aqui, passou o dia tentando comprar uma geladeira, em vários sites. "A Black Friday deve dobrar o faturamento em relação ao ano passado, mas parece que eu não vou conseguir contribuir."

Descontos. Segundo análise da consultoria Sieve, especializada em inteligência de precificação do varejo digital, o desconto médio dos produtos no site oficial da Black Friday foi de 20%.

A empresa comparou o histórico de preços oferecidos pelas lojas nos últimos 90 dias com as promoções que exibiam no site à 1h desta sexta-feira. Os setores com os maiores descontos, segundo a Sieve, foram papelaria, moda, acessórios, casa e decoração.

"Os descontos são muito baixos se comparados aos dos Estados Unidos", diz Vargas. "Fala a verdade: 20% de desconto você consegue em qualquer Dia dos Pais ou Dia das Mães. Não é megapromoção. Ainda temos muito para aprimorar", afirma.

Edinalva Gomes Vieira foi a uma loja Extra na zona sul em busca de um ventilador de teto, para substituir um quebrado. Acabou levando um modelo por R$ 79, o que representava 20% de desconto em relação aos preços que havia visto perto de sua casa. Antes dessa compra, já havia passado no Pão de Açúcar, que oferecia cerveja Heineken a R$ 1,80. "Normalmente, custa R$ 2,30, então enchemos um carrinho."

Ela afirma que é preciso pesquisar antes de comprar para fazer um bom negócio. Um dos planos da família era comprar uma televisão 3D da Samsung. Porém sua filha Daniela, de 21 anos, viu em um site comparador de preços que uma oferta nas Lojas Americanas.com estava maquiada. "O desconto era apenas a metade do anunciado, pois o preço havia subido R$ 500 dias antes do evento", afirma Edinalva. A filha completa: "Eu só ganho R$ 750, não posso ficar gastando à toa".

A aposentada Zuleika Moltropoulos, de 69 anos, também foi ao mercado com a filha, de 35 anos, em busca de ofertas. Compraram em dobro: cada uma levou uma TV de 40 polegadas, por R$ 1.840, e um micro-ondas, por R$ 199. "Viemos com algumas dúvidas, mas acabamos achando bons preços. A televisão, por exemplo, antes estava mais de R$ 2 mil." Já o preço da geladeira não agradou Zuleika. "O desconto estava muito pequeno, aí não quis."

Roberto Tartarini também foi em busca de um produto: TV de 50 polegadas, pela qual pagou R$ 2.999. "Sempre venho aqui e estava R$ 3.700", afirma o dono de uma marmoraria. "Além disso, vou pagar em dez vezes." 

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Black Friday

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.