BlackBerry vê mercado corporativo ameaçado

Falta de interesse em aparelhos da empresa pode reduzir a principal força da fabricante

PETER BURROWS, MADELINE MCMAHON , BLOOMBERG NEWS / SÃO FRANCISCO, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2013 | 02h06

As chances de a BlackBerry se tornar uma adversária viável da Apple e do Google no mercado de smartphones estão diminuindo em meio a uma demanda fraca de seu principal aparelho com tela de toque.

Os departamentos de tecnologia da informação de grandes empresas há muito que desejavam uma terceira alternativa aos iPhones da Apple e a aparelhos com o sistema Android, do Google, para garantir inovação e competição nos preços. Mas muitas empresas estão retirando o apoio à BlackBerry à medida que funcionários migram para aparelhos com telas de toque da Apple, da Samsung e outras.

Essa tendência foi ressaltada na semana passada quando a BlackBerry reduziu as estimativas de vendas de telefones e lucros. Agora, a companhia com sede em Waterloo, no Canadá, deve sofrer novos declínios com o ceticismo de empresas em relação à marca, segundo Bob Tinker, diretor presidente da MobileIron, que fabrica um software para gestão de smartphones usado por 5 mil empresas. Isso faz do Windows Phone da Microsoft uma terceira opção mais provável.

"A maioria de nossos clientes planeja apoiar três sistemas - iOS, Android e, ou Windows Phone ou BlackBerry", disse Tinker. "Os resultados recentes indicam que a BlackBerry não vai ser a terceira." Na semana, passada, a BlackBerry informou que teve vendas inesperadamente fracas de seu aparelho principal, o Z10, projetado para explorar o novo sistema BB10 e enfrentar telefones como iPhone e Galaxy S4, da Samsung.

Os resultados desapontadores deram força à Microsoft, que vem ganhando terreno sobre a BlackBerry na luta pelo terceiro lugar. No mercado global de smartphones, a fatia da BlackBerry encolheu de 6,4% para 2,9% em um ano, de acordo com a empresa de pesquisa IDC. Apple e Android juntos têm 92% do mercado. O Windows Phone da Microsoft jogou a BlackBerry para quarto lugar.

A base de usuários da Blackberry caiu para 72 milhões no último trimestre (era de 76 milhões e 79 milhões nos trimestres anteriores), e a empresa disse que não divulgará mais a contagem de usuários.

Com uma demanda limitada de funcionários por aparelhos da BlackBerry, algumas empresas decidiram desligar o serviço online da BlackBerry (conhecido como BlackBerry Enterprise Service - ou BES) em vez de atualizar para a nova versão, segundo Tinker. Isso economiza encargos mensais e reduz os custos de TI.

O BES é usado para que usuários dos smartphones recebam e-mails e sincronizem anotações com segurança na rede corporativa. Sem ele, os aparelhos BlackBerry perdem a maioria dos recursos que os tornaram populares para os departamentos de TI e muitos usuários.

"A adoção do BB10 tem preenchido perfeitamente nossas expectativas", disse Pete Devenyi, vice-presidente sênior do software de empresa da BlackBerry. Segundo ele, 18 mil empresas baixaram ou usaram o software desde que ele foi lançado em janeiro. Um servidor BES10 pode gerenciar 15 mil telefones BlackBerry, ante cerca de 2 mil da geração anterior.

A BlackBerry incluiu uma ferramenta na nova versão do BES chamada Secure Work Space em 25 de junho, projetada para gerenciar iPhones e aparelhos de outras plataformas além de seus produtos. Mesmo assim, muitas empresas decidiram usar plataformas independentes de gestão de aparelhos móveis, disse Maribel Lopez, fundadora da Lopez Research. A Microsoft tem seu próprio produto de gestão de smartphones, chamado Intune.

Para o analista da ABI Research, Mike Morgan, o primeiro trimestre fraco da BlackBerry sugere prejuízos maiores no futuro. As margens deviam ter crescido, já que os novos modelos, como o Z10, são mais caros, mas a companhia teve um prejuízo de US$ 84 milhões. Para Morgan, a esperança para vencer a Microsoft é investir pesadamente. "Eles não vão ganhar dinheiro, mas sua plataforma poderia crescer."

O CEO da BlackBerry, Thorsten Heins, falando numa videoconferência em 28 de junho, pediu paciência. "O BlackBerry 10 ainda está nos primeiros estágios de sua transição." / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.