Blair e Gates pedem combate à pobreza na África

O Fórum Econômico Mundial de Davos ouviu um apelo do primeiro-ministro britânico, Tony Blair, e de outras personalidades para fazer de 2005 o ano de tentar resolver a pobreza na África. Juntaram-se a Blair nesse apelo o presidente da Microsoft, Bill Gates, o cantor Bono, defensor de redução da dívida de países pobres, e o presidente da África do Sul, Thabo Mbeki. Blair disse que a situação na África é uma "cicatriz na consciência mundial". Em vários países da África, a expectativa de vida está em queda.Imposto solidárioAnualmente, um milhão de africanos morrem de malária, uma doença evitável. Tony Blair disse que esses fatos são "tão chocantes que desafiam a imaginação". Para ele, é vital o cancelamento de dívidas dos países mais pobres. O premiê também defende que seja dobrada a ajuda em dinheiro. Blair prometeu 45 milhões de libras (cerca de R$ 225 milhões) para a luta contra a malária.No entanto, o primeiro-ministro não apoiou diretamente a proposta do presidente da França, Jacques Chirac, para criação de um imposto internacional de solidariedade. Ele disse apenas que essa é "uma das muitas maneiras de levantar recursos". Blair quer que a redução da pobreza na África seja um ponto chave para o G-8 (grupo dos sete países mais ricos do mundo e a Rússia) neste ano, com a Grã-Bretanha na presidência do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.