Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Blockbuster quer atrair clientes da Netflix

Tropeços da Netflix abriram as portas a concorrentes que querem capturar clientes insatisfeitos com a companhia e em busca de novas opções para locação de vídeos e em formato stream, que são assistidos em tempo real pela internet.

LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h06

A Blockbuster, no passado a cadeia dominante de locadoras de vídeo, que pediu concordata exatamente por conta da concorrência da Netflix, quer recuperar sua liderança. Agora subsidiária da Dish Network, a Blockbuster anunciou ontem seu ingresso no mercado de vídeos em formato stream.

Isso a posicionaria melhor para concorrer com a Netflix, que está enfrentando reações adversas dos consumidores ao aumento de seus preços de locação de DVDs e pressão dos estúdios de Hollywood por pagamentos mais generosos pelo conteúdo.

As ações da empresa, até recentemente muito prestigiada em Wall Street, caíram 50% em dois meses, e seu presidente, Reed Hastings, pediu desculpas por não ter explicado devidamente suas decisões, tentando reconquistar os clientes perdidos.

Oportunidade. "É o momento certo para a Blockbuster", disse Todd Mitchell, analista da Brean Murray, que recomenda compra de ações da Dish. "A empresa agora conta com os recursos da Dish Network e uma boa distribuição."

A Blockbuster quer atrair os clientes insatisfeitos com a Netflix por meio de uma oferta de teste gratuito, e vem anunciando que recebe muitos lançamentos de filmes até 28 dias antes da Netflix ou do serviço Redbox, da Coinstar, outro concorrente que poderia se beneficiar com os problemas da Netflix.

A Netflix causou ira entre seus clientes ao impor aumentos de preços de até 60% para alguns assinantes de locação em DVD, e por separar em sites diferentes seus serviços de locação de DVDs e de vídeo em formato stream. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.