BM&F Bovespa espera manter redução de despesas no 4o tri

A BM&F Bovespa espera que a redução de despesas que contribuiu para o resultado do terceiro trimestre seja mantida nos três últimos meses do ano e, apesar da crise financeira mundial, está otimista para 2009. Os comentários foram feitos nesta quarta-feira pelo presidente da nova bolsa, Edemir Pinto. "Acho que essa crise de confiança está levando o mercado a uma ressaca. Se olharmos os sete pregões de novembro, notamos uma redução dos volumes negociados. Mas estamos otimistas para 2009 em função de dois pilares: redução das despesas e a condição de solidez da companhia", disse ele a jornalistas. Segundo ele, a redução no volume de contratos negociados no segmento de derivativos foi da ordem de 40 por cento nos sete pregões iniciais de novembro, em comparação com a média dos três meses anteriores. No segmento de ações, essa diminuição foi de 35 por cento. Edemir também afirmou que a maior regulação dos mercados de balcão após a crise global deve beneficiar o ambiente de bolsa. "Estamos prontos para oferecer negócios de bolsa para o mercado de balcão e também para oferecer serviços a esse segmento do mercado." A BM&F Bovespa calcula em cerca de 5 bilhões de reais o benefício fiscal decorrente do ágio da fusão entre as duas bolsas, valor que poderá ser utilizado ao longo dos próximos anos. "É difícil prever, mas a gente imagina que será entre cinco e sete anos", acrescentou. (Por Daniela Machado)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.