BM&FBovespa discute listagem dupla em mercados do Brasil e da Ásia

Com medida, papeis das empresas ficariam 24 horas em negociação 

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

12 de fevereiro de 2010 | 13h12

A BM&FBovespa discute com autoridades reguladoras e as bolsas asiáticas a possibilidade de fazer dupla listagem, permitindo que as empresas listadas na Bovespa o sejam também nos mercados asiáticos e as companhias asiáticas, na Bolsa brasileira.

 

Com isso, os papéis das empresas ficariam 24 horas em negociação. Segundo o diretor-presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, as empresas brasileiras não teriam custos extras para isso. Assim que abrissem capital já seriam automaticamente listadas lá fora. Ele ressaltou, no entanto, que o projeto ainda está em estudos. A companhia anunciou que vai aumentar sua participação na CME, maior bolsa do mundo, para 5% e, com essas e outras medidas, espera se tornar a 2ª maior bolsa do mundo.

 

Edemir Pinto disse ainda que a BM&FBovespa tem procurado fazer acordos com as bolsas da América Latina para desenvolver os mercados locais. Há pouco mais de 30 dias, fechou um acordo com bolsa chilena para desenvolver um sistema de clearing e uma rede de conectividade, sendo que futuramente a Bovespa pode oferecer produtos nessa rede. A BM&FBovespa deve anunciar acordo semelhante com a bolsa da Colômbia e discute a mesma estratégia no Peru e no México.

 

"Queremos fazer parcerias e construir liquidez nos mercados", diz Edemir Pinto. "Passamos por um momento de transformação das empresas brasileiras em companhias globais e a BM&FBovespa quer seguir o mesmo caminho."

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa, listagem dupla,

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.