BM&FBOVESPA nega que fator Eike tenha motivado mudança

A mudança da metodologia do Ibovespa foi "uma das decisões mais importantes e mais difíceis dos últimos 20 anos", de acordo com o presidente da BM&FBovespa Edemir Pinto. "Este é um momento histórico para a Bolsa, para o mercado de capitais e para o Brasil", disse.

GABRIELA FORLIN E ALINE BRONZATI, Agencia Estado

12 de setembro de 2013 | 11h46

O executivo reforçou que a Bolsa tem feito o trabalho ao longo de praticamente um ano, ouvindo todos os setores e segmentos diretamente e indiretamente envolvidos com o índice e o mercado de capitais. "Ouvimos o mercado, investidores pequenos, médios, grandes, globais e a academia. Só não ouvimos a imprensa", brincou.

Edemir destacou que o fator Eike não foi o que motivou as mudanças. "Começamos esse trabalho há muito tempo, não foi apenas o fator Eike. Já estava no nosso radar. O caso OGX também foi considerado, obviamente, mas não foi em função disso", garantiu.

Para o presidente da Bolsa, isso faz parte de uma grande transformação que o mercado brasileiro vem experimentando. "O Ibovespa tem 45 anos e precisava ser repensado. Estamos em busca de dar mais representatividade ao índice", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
BM&FBOVESPAmetodologiaEike

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.