BMG negocia compra dos 51% que o BTG detém no Banco Pan

Outros dois interessados estariam disputando o ativo com o banco mineiro, que já teve uma das ofertas recusadas

Aline Bronzati, Fernanda Guimarães, Cynthia Decloedt, O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2015 | 08h27

O BTG Pactual negocia com o BMG, focado em crédito consignado (com desconto em folha), o controle do Banco Pan (ex-Panamericano), segundo apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. O banco já teria feito uma proposta e agora disputa o ativo com outros dois interessados, conforme duas fontes de mercado.

A primeira oferta feita pelo BMG, que considerava o valor de mercado do banco, foi considerada baixa na avaliação dos sócios do BTG, apurou o Broadcast. O banco de André Esteves, preso desde o fim de novembro, detém 51% das ações ordinárias do Pan, cujo valor de mercado é de R$ 614 milhões.

Com 49% das ações ordinárias do banco, a Caixa Econômica Federal foi procurada apenas para fornecer informações para o processo de venda, mas não teria interesse em adquirir a totalidade das ações do banco, conforme fonte. Embora seja natural compradora, seu interesse, segundo a mesma fonte, é que o banco continue sendo uma instituição privada.

O Pan encerrou setembro com R$ 26,4 bilhões em ativos e patrimônio líquido de R$ 3,6 bilhões. Seu lucro líquido chegou a R$ 44,3 milhões no terceiro trimestre, revertendo o prejuízo registrado no mesmo período de 2014. O banco, cuja carteira de crédito soma R$ 18 bilhões, atua no financiamento de veículos, crédito consignado, pessoal e consórcios.

Uma das linhas de negócios do Pan que poderia interessar ao BMG, conforme fontes, é a de cartões de crédito consignado. A plataforma se originou da compra dos direitos creditórios da carteira do Cruzeiro do Sul, liquidado pelo Banco Central. O BMG tem joint venture com o Itaú Unibanco em crédito consignado, mas que não contempla a operação de cartões.

Um dos impasses desta negociação é a dívida com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Quando adquiriu o Pan, em 2011, o BTG desembolsou R$ 450 milhões e assumiu a dívida com o Fundo. O valor atualizado estaria em R$ 4 bilhões. Como precisa de recursos no curto prazo e a dívida é de longo prazo, segundo fontes, o BTG poderia aceitar permanecer com a exposição no Fundo e em troca vender logo sua fatia no Pan.

Procurados, BTG, BMG e Caixa não comentaram. O Pan afirmou desconhecer o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.