BNDES anuncia ação para impulsionar programa do álcool

O presidente do BNDES, Carlos Lessa, disse hoje que o banco, em conjunto com a Petrobras e a Embrapa, lançará um "protocolo de ação conjunta" para "impulsionar um grande programa de álcool" no País. Segundo ele, o convênio será aprovado hoje à tarde pela diretoria do BNDES e terá como um dos objetivos duplicar a produção de álcool no Brasil em três ou quatro anos. "Isso não é inviável para um País que construiu a Petrobras e Brasília". Lessa anunciou o convênio na abertura de seminário sobre álcool no BNDES, mas não detalhou o programa. "Com competência, poderemos articular financiamento para essa expansão (da produção de álcool), que terá inclusive apoio externo", afirmou.Na safra 2002/2003, a produção de álcool no Brasil alcançou 13 bilhões de litros, segundo documento distribuído no seminário pelo BNDES. Lessa disse também que não tem dúvida que, caso o País amplie a oferta de álcool combustível, haverá demanda internacional para o produto. "Poderemos vir a ser um pólo de energia no continente sul-americano pela agroindústria", disse na abertura do seminário.InvestimentosO aumento da capacidade de produção no País em 5 bilhões de litros de álcool a cada ano, voltados exclusivamente para exportação, exigirá investimentos totais de R$ 7,2 bilhões em três anos. Documento do BNDES sobre a ampliação da produção de álcool distribuído no seminário alerta que, para evitar um fracasso como o do Proálcool, no qual houve descontinuidade da produção necessária para abastecer o mercado, é preciso que "na primeira fase deste programa de álcool para exportação, em que se ampliarão as usinas já existentes, é preciso assegurar que a produção prevista será cumprida, pois o descumprimento de entrega para exportação seria desastroso". SugestõesAs sugestões do BNDES para ampliação da produção e exportação de álcool no País incluem a ampliação da produção de usinas já existentes, na parte industrial (equipamentos) e na área plantada. Simultaneamente ao melhor aproveitamento das usinas existentes, teria início um programa de instalação, em cinco anos, de 60 novas usinas de álcool, com cerca de 15,6 mil hectares de área total plantada com cana. O investimento industrial no total dessas usinas seria entre R$ 80 milhões e R$ 110 milhões e o investimento agrícola, de R$ 40 milhões. O programa não detalha como seria o financiamento desses recursos e nem de que fonte viriam. Áreas de plantioA capacidade instalada atual de produção de álcool no Brasil é de 16 bilhões de litros/ano, sendo 2 bilhões no Norte e Nordeste e 13 bilhões no Centro-Sul. A estimativa do documento distribuído pelo BNDES. O documento também apresenta sugestões para "a expansão coordenada do setor, com vistas à exportação". Uma das sugestões é a definição de áreas para aumento da produção de cana-de-açúcar, como destaque para o noroeste de São Paulo, a região do Triângulo Mineiro, norte do Paraná, Goiás, Mato Grosso e sertão do Nordeste. "Tais regiões contam com regiões férteis, planas e têm água e condições de transporte para escoamento do produto", diz o documento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.