BNDES anuncia que bateu "recordes" de financiamento

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou hoje em comunicado que, nos primeiros dez meses deste ano, "bateu todos os recordes em desembolsos de financiamentos", registrando alta de 45% em relação ao mesmo período de 2003. De acordo com o comunicado, até outubro, incluindo recursos extraordinários oriundos do Tesouro Nacional, os desembolsos do BNDES chegaram a R$ 31,8 bilhões. "Se forem consideradas apenas as liberações feitas com os recursos orçamentários do Banco, os desembolsos foram de R$ 29,8 bilhões, representando 20% a mais do que as liberações de financiamentos em todo o exercício de 2003", informou o banco. O BNDES informou ainda que, nos dez primeiros meses do ano, em termos gerais, o setor que teve melhor desempenho foi a área de infra-estrutura, cujos desembolsos tiveram crescimento de 94% em relação ao mesmo período de 2003. De janeiro a outubro deste ano, as liberações para infra-estrutura já chegaram a R$ 11,1 bilhões. Para o setor de indústria, o aumento dos desembolsos chegou a 26%, ante igual período em 2003, com desembolsos de R$ 11,3 bilhões entre janeiro e outubro deste ano, "e a tendência de crescimento nas liberações vem se acentuando, devendo alcançar maior ritmo nos dois meses finais do ano", na avaliação do banco. Na chamada linha Finame, que financia máquinas e equipamentos industriais novos, de fabricação nacional, o crescimento dos desembolsos nos dez primeiros meses do ano atingiu 22,19% em relação ao mesmo período de 2003. No total, até outubro foram concedidos financiamentos no montante de R$ 5,273 bilhões pelo Finame. Exportações As liberações do BNDES para exportação, de janeiro a outubro desse ano, atingiram US$ 2,7 bilhões, superando em 43% o mesmo período de 2003. De acordo com o BNDES, no segmento da construção civil, os desembolsos para exportações registraram aumento de 87%, somando US$ 207 milhões, enquanto as operações para exportação de veículos automotores obtiveram aumento de 200%, chegando a US$ 560 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.