BNDES apoiará setores de fármacos, software e bens de capital

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) criou três programas de financiamento aos setores de fármacos, software e bens de capital, classificados como prioritários, pelo governo, ao desenvolvimento nacional. Em comunicado divulgado hoje, o banco estatal esclarece que os programas foram criados no âmbito da nova política industrial, lançada hoje pelo ministro Luiz Fernando Furlan, na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília. Para o setor de fármacos, o BNDES anunciou a criação do Profarma, o Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica. Entre os objetivos, estão o incentivo ao aumento da produção de medicamentos e de insumos; melhora nos padrões de qualidade dos medicamentos; colaboração para a melhoria da saúde e da qualidade de vida da população brasileira; contribuição para a redução do déficit comercial; e estímulo para a realização de atividades de pesquisa, entre outras metas. Para o setor de Software, o BNDES está renovando o Prosoft, Programa de Apoio ao Setor de Software. Este é um programa já existente, que passará a se chamar Programa para Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços Correlatos, e teve sua vigência renovada. Segundo comunicado do banco estatal, o programa foi revisto pelo banco "de forma a aumentar sua eficácia como instrumento de apoio ao software nacional, buscando promover o crescimento das empresas nacionais e aumentar sua participação nos mercados interno e externo". Para o setor de bens de capital, o BNDES preparou o Programa de Financiamento a Supridores Nacionais de Equipamentos, Materiais e Serviços (engenharia, obra civil, instalação e montagem). Segundo comunicado o BNDES, a nova linha tem por objetivo "incentivar a capacitação dos supridores de equipamentos possibilitando a ampliação de sua participação no mercado".

Agencia Estado,

31 Março 2004 | 14h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.