Paulo Whitaker/Estadão
Paulo Whitaker/Estadão

BNDES aprova a indicação de dois novos conselheiros para a JBS

Diretoria do banco de fomento aprovou os nomes de Cledorvino Belini e Roberto Penteado de Camargo Ticoulat para as vagas a que a instituição tem direito no conselho de administração do frigorífico JBS

Vinicius Neder, Broadcast

18 Setembro 2017 | 19h26

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) informou há pouco que sua diretoria aprovou a indicação dos nomes de Cledorvino Belini e Roberto Penteado de Camargo Ticoulat para as vagas a que a instituição de fomento tem direito no conselho de administração do frigorífico JBS.

Belini foi presidente da Fiat Chrysler para a América Latina e da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Mais cedo, o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, havia confirmado ao Broadcast que o banco indicaria o nome de Belini. Ticoulat é vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Os dois indicados substituirão Maurício Luchetti e Claudia de Azeredo Santos, "que renunciaram aos seus cargos e a quem o BNDES agradece por seu excelente trabalho na busca do melhor interesse da companhia como representantes do banco no conselho", diz uma nota divulgada há pouco pela instituição de fomento.

+ JBS perde R$ 955 mi em valor de mercado após anúncio de novo presidente

Novo presidente. Mais cedo, o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, afirmou que o banco seguirá a decisão do conselho de administração do frigorífico JBS, que, em reunião realizada no sábado, 16, escolheu o fundador da empresa, José Batista Sobrinho, para terminar o mandato de CEO no lugar de Wesley Batista, preso semana passada.

De acordo com Rabello, o banco não poderá contestar a decisão, como inicialmente avaliado, porque há representante do BNDES no colegiado que deu quórum para a reunião.

Com os filhos Wesley e Joesley Batista presos, o fundador do grupo JBS, de 84 anos, vai voltar à presidência da companhia. O argumento da família para esse movimento é que Batista Sobrinho, conhecido como Zé Mineiro, dará “estabilidade” à empresa, cumprindo o mandato de Wesley, que se encerra em 2019, no comando da JBS. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.