BNDES aprova financiamento de US$ 300 milhões a exportadoras

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de US$ 300 milhões para projetos de exportação de oito empresas. As companhias beneficiadas pelo banco são Volkswagen do Brasil; Daimler Chrysler do Brasil; Monsanto Nordeste; Epcos do Brasil; Tramontina; RMS Software; Alstom Brasil; e Produtos Veterinários Ouro Fino. Somente as quatro primeiras, que serão beneficiadas no âmbito do Programa Pré-embarque, totalizarão recursos de US$ 283,8 milhões. As outras quatro empresas serão financiadas no âmbito do Programa Pós-Embarque. No Pré-embarque, o BNDES apoia a produção do bem a ser exportado, com índice de nacionalização de no mínimo 60%. No Pós-embarque, o Banco financia no exterior o comprador de produtos brasileiros. Divisão de recursosDo total de recursos a serem financiados pelo banco, a Volkswagen terá montante de US$ 200 milhões para produzir automóveis de passageiros a serem exportados. Também no setor automotivo, a Daimler Chrysler será financiada em US$ 35 milhões, para fabricação e exportação de chassis para ônibus e veículos para transporte de mercadorias e de passageiros. De acordo com nota oficial do banco, a Epcos do Brasil terá financiamento de US$ 8,8 milhões para exportar condensadores para linhas elétricas e partes de condensadores. Por sua vez, a Monsanto Nordeste será financiada com US$ 40 milhões para exportar matéria-prima para produção de defensivo agrícola. No caso das operações Pós-embarque, o Grupo Tramontina terá financiamentos de até US$ 14 milhões para exportar baixelas, panelas, talheres e outros produtos para os Estados Unidos. A empresa RMS Software, com sede em São Paulo, receberá financiamento de até US$ 445,5 mil para exportação ao México de um software de integração de varejo. A Alstom Brasil terá financiamento de até US$ 493,4 mil para exportar equipamentos de geração elétrica para o Projeto Hidrelétrico Rio Blanco, em Honduras. Por sua vez, a Produtos Veterinários Ouro Fino será financiada em até US$ 500 mil para venda de produtos veterinários para o mercado mexicano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.