BNDES apura R$ 1,21 tri em investimentos

Estudo referente a 2008-2011 aponta aceleração ante o período anterior

Adriana Chiarini, RIO, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2007 | 00h00

Os investimentos mapeados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o período de 2008 a 2011 somam R$ 1,214 trilhão. Isso significa uma aceleração no ritmo dos investimentos em relação ao período de 2007 a 2010, quando o total calculado pelo banco era de R$ 1,049 trilhão, destacou o presidente da instituição, Luciano Coutinho. De acordo com Coutinho, o Brasil "está no início de um ciclo e em fase de aceleração do investimento". Para ele, o volume "robusto" de investimentos garante o crescimento do País nos próximos anos, mesmo em um cenário de turbulências externas.O presidente do banco estatal lembrou que o investimento produtivo está crescendo há 23 trimestres consecutivos e em 15 deles a expansão tem sido maior que a do Produto Interno Bruto (PIB), o que é considerado positivo pelos economistas. A indústria, segundo o levantamento do BNDES, prevê investimentos de R$ 447 bilhões no período de 2008 a 2011, o que significa uma taxa de crescimento de 12,4% ao ano em relação ao período de 2003 a 2006. Os investimentos em infra-estrutura somam R$ 231,7 bilhões, com crescimento de 13,2% ao ano. Já a construção residencial responde por R$ 535 bilhões e crescimento de 10,7% ao ano, conforme o levantamento do BNDES. A taxa média de crescimento dos investimentos totais é de 11,8% ao ano nesse período. O BNDES considerou setores que representam cerca de 70% dos investimentos da indústria e 70% da infra-estrutura. Como muitos projetos não estão catalogados, o investimento total no período será superior ao mapeado pelo banco.A indústria de transformação tem R$ 162,9 bilhões planejados para investir nos próximos quatro anos. Petróleo e gás aparece com R$ 202,8 bilhões e a indústria extrativa mineral, com R$ 81,3 bilhões. Para a energia elétrica, o banco levantou investimentos de R$ 101 bilhões; para saneamento, R$ 48 bilhões; e para comunicações, R$ 56 bilhões. Ferrovias e portos estão com investimentos levantados em, respectivamente, R$ 19,9 bilhões e R$ 6,8 bilhões.O estudo publicado pelo BNDES é de autoria dos economistas do banco Ernani Teixeira Filho, Fernando Puga e Marcelo Nascimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.