FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

BNDES conversa com investidores para venda de participações

Segundo a diretora do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Eliane Lustosa, todas as participações na carteira da instituição são passíveis de desinvestimento

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2018 | 17h04

Todas as participações da carteira do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) são, na nova política do banco, passíveis de desinvestimento, disse a diretora de investimento do banco de fomento, Eliane Lustosa. O banco vem, inclusive, conversando com potenciais interessados em aquisições, muitos deles estrangeiros.

Para que o banco possa ter uma postura mais ativa em investimentos relevantes que possui em companhias, para poder ter a alternativa de uma venda estruturada fora da bolsa de valores, por exemplo, o BNDES aguarda a finalização de uma normativa interna, que regulará esses processos de venda para um investidor estratégico, por exemplo.

Sem essa política em seu arcabouço, o BNDES pode, atualmente, vender suas participações em operações em bolsa ou em movimentos semelhantes à operação de incorporação da Fibria pela Suzano, transação na qual o banco de fomento decidiu acompanhar o movimento que foi liderado por outro controlador da Fibria, o grupo Votorantim. A venda das ações na Eletropaulo, por sua vez, outro desinvestimento do banco recente, foi feita em uma oferta pública de aquisição (OPA), que foi muito competitiva, com mais de um interessado.

No momento em que o banco puder tomar a dianteira para os desinvestimentos, Lustosa afirmou que fatias relevantes em empresas poderão ser vendidas a investidores estratégicos mediante um pagamento de prêmio em relação ao preço considerado justo pelo banco. Para essa política de vendas estruturadas, o BNDES travou conversas com bancos de investimento, por exemplo, e ainda com o Tribunal de Contas da União (TCU).

Questionada se o banco poderá vender suas ações da Light, em uma eventual oferta de ações, Lustosa respondeu genericamente, mas disse que em empresas em que o banco acredita que o preço justo não foi atingido a decisão poderá ser de aumento da participação, utilizando o direito de preferência, se houver, e esperar, depois disso, um momento mais adequado para o desinvestimento. Hoje o BDNES possui R$ 84 bilhões de sua carteira de investimentos em renda variável, havendo uma grande concentração em grandes nomes como JBS, Vale, Eletrobras, Petrobras e Fibria.

O desejo, conta a diretora do BNDES, é reduzir a fatia do banco nas empresas abertas e ampliar em investimentos em fundos de crédito, os FDICs, em empresas fechadas, com externalidades presentes em sustentabilidade, ambiental e infraestrutura.

Expectativa é de que caixa em venda de Fibria entre ainda neste ano

O banco espera que a entrada do caixa proveniente da venda de sua participação na Fibria, de R$ 8,4 bilhões, ocorra ainda neste ano. O fluxo chegará após a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O banco de fomento esperava inicialmente que o caixa pudesse entrar até o fim do primeiro trimestre do ano que vem.

Segundo Eliane Lustosa, o entendimento recente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi um passo importante para a concretização da operação, que passará na quinta-feira, dia 13, pelo crivo dos acionistas, em assembleia geral.

Lustosa destacou que o BNDES tem em sua política trabalhar pelo melhor interesse da companhia e de forma equânime com acionistas e que no caso da incorporação da Fibria pela Suzano o entendimento foi de que a operação foi justa. “O entendimento é que nesse caso o banco atuou como um banco de referência e na nossa visão a negociação foi justa”, afirmou, antes de participar de painel do Congresso dos fundos de pensão, organizado pela Abrapp.

Por maioria, o colegiado da CVM decidiu que não há ilegalidades no processo de incorporação da Fibria pela Suzano. Grupo de minoritários questionaram os moldes da operação, que obriga os acionistas da Fibria a venderem parte de suas ações em dinheiro, tirando qualquer alternativa por parte do acionista. O acordo prevê que cada acionista da Fibria receberá para cada ação ordinária da companhia, R$ 52,50 e 0,4611 ação ordinária da Suzano.

*A repórter viajou a convite da Abrapp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.