Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

BNDES deve perder mercado, diz Fitch

Agência de risco afirma que devolução de R$ 100 bilhões do banco para o Tesouro vai reduzir a capacidade de empréstimos da instituição

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2016 | 10h51

A agência de classificação de risco Fitch avalia que a devolução de R$ 100 bilhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aos cofres do Tesouro Nacional reduzirá a capacidade de empréstimo do banco e contribuirá para o declínio da fatia de mercado do BNDES no longo prazo.

A Fitch diz que, excluindo-se o capital híbrido, os Fundos do Tesouro totalizaram 61% do financiamento do BNDES, enquanto o Fundo de Assistência aos Trabalhadores (FAT) representava mais 28% do total no fim de junho. O Tribunal de Contas da União (TCU) deu aval na semana passada para o plano de devolução do empréstimo feito pelo Tesouro, e a agência lembra que declarações do comando do BNDES indicam que essa devolução deve ser acelerada para ocorrer antes do fim de 2016. O plano inicial previa pagamentos ao longo de vários anos.

A agência diz que o pagamento é de magnitude suficiente para afetar a estratégia de negócios do BNDES, “em linha com a expectativa da Fitch de que a fatia de mercado decline no mais longo prazo”. A Fitch diz que isso deve ocorrer porque não espera que o Tesouro conceda novos financiamentos ao banco com taxas preferenciais.

Setores prioritários. Com isso, o BNDES deve enfatizar mais “certos setores prioritários”, diz a agência, que podem incluir infraestrutura, energia renovável, administração pública, projetos ambientais, investimentos sociais corporativos e micro, pequenas e médias empresas. Isso também deve significar um papel maior para o setor privado no financiamento corporativo e de projetos no longo prazo, o que também pode provocar uma elevação nas taxas de empréstimo no longo prazo. “Isso pode ser um desafio para o governo, a menos que fontes alternativas de financiamento sejam encontradas, já que a demanda das companhias por empréstimos deve ser afetada com o declínio dos empréstimos subsidiados, exacerbando os gargalos da infraestrutura no País.”

Em termos de financiamento, a Fitch avalia que o BNDES confiará mais na emissão direta de bônus, como resultado. A Fitch diz, porém, que não devem ocorrer mudanças na propensão do governo de apoio ao banco de desenvolvimenot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.