Nacho Doce/Reuters - 11/1/2017
Nacho Doce/Reuters - 11/1/2017

BNDES devolve R$ 33 bilhões ao Tesouro Nacional

Depósito faz parte dos R$ 50 bilhões solicitados pelo governo ainda para este ano como liquidação antecipada de dívidas do banco com a União; quase metade do pagamento foi feita em títulos públicos federais

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 16h52

RIO DE JANEIRO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) confirmou, em nota, o depósito de R$ 33 bilhões ao Tesouro Nacional. A devolução faz parte dos R$ 50 bilhões solicitados pelo governo federal ainda para este ano como forma de liquidar antecipadamente dívidas do banco de fomento com a União.

O pagamento foi feito com R$ 18 bilhões em moeda corrente e R$ 15 bilhões em títulos públicos federais. A operação deveria ter ocorrido nesta quarta-feira, 27, mas atrasou por conta de trâmites burocráticos, conforme antecipou uma fonte ao Estadão/Broadcast no mesmo dia.

Outros R$ 17 bilhões seriam repassados em novembro. O governo espera receber mais R$ 130 bilhões em 2018.

++Salários pagos pelo BNDES fazem 'corar qualquer pessoa de bom senso', diz ministro do TCU

Segundo o banco, a diretoria aprovou a operação depois de levar em conta fatores como "contribuir com os esforços para conter a dívida bruta da União". Os diretores também teriam considerado questões como assegurar a capacidade do BNDES de atender à demanda por crédito necessária ao desenvolvimento do País e manter o alinhamento com as determinações do Tribunal de Contas da União (TCU).

A nota diz que a decisão de antecipar a devolução dos recursos foi tomada após entendimentos com os ministérios da Fazenda e do Planejamento, depois de uma "profunda análise das viabilidades e dos impactos financeiros inerentes".

++'Não é o BNDES que está escangalhando as finanças públicas', diz presidente do banco

O BNDES ressalta que a operação foi aprovada por seu Conselho de Administração. O documento destaca ainda que o banco mantém todos os indicadores de prudência financeira e que o alinhamento da instituição com o TCU é absoluto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.