BNDES diversifica captação para atender demanda

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse nesta tarde que a instituição tem procurado diversificar as fontes de captação de recursos para atender ao aumento da demanda por financiamentos nos próximos anos. Segundo ele, já estão previstos R$ 210 bilhões até 2010 para os setores industrial e de serviços, mas o desembolso do BNDES pode chegar a R$ 300 bilhões em três anos se for somada às necessidades de financiamento para a infra-estrutura. Por isso, o BNDES precisará aumentar suas fontes de captação de recursos. Coutinho lembrou que o BNDES, assim como fez na semana passada, tem ido ao mercado internacional, emitindo bônus, para se capitalizar. Ele informou que negocia com o Ministério da Fazenda para achar novas fontes domésticas de recursos, sem antecipar quais seriam. Segundo ele, o BNDES poderá vender participações acionárias de sua carteira. "Teremos uma estrutura de funding mais diversificada e um pouco mais cara que a atual e isso nos obriga a sermos mais seletivos e a priorizar na concessão de crédito os fins mais nobres, que são a criação de capacidade industrial nova, investimentos em inovação e tecnologia e uma nova infra-estrutura".Essas áreas, de acordo com ele, receberão os financiamentos mais baratos com recursos provenientes do FAT e corrigidos pela TJLP. Outros setores terão empréstimos com um mix de TJLP e outros índices de correção, como cestas de moedas e IPCA. "É uma política do BNDES que está se ajustando à realidade de mercado e a um momento de pressão sobre recursos do banco", explicou. De acordo com ele, quando as taxas de mercado se aproximarem da TJLP, o mercado responderá por grande parte do papel hoje do BNDES. "Enquanto isso não acontece, se nós não cumprirmos o papel de oxigenar o investimento, o ciclo econômico pode ficar debilitado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.