Tânia Rego|Agência Brasil
Tânia Rego|Agência Brasil

BNDES diz que solução para o Galeão sai em breve

Banco de fomento espera chegar ainda no primeiro semestre a uma solução para pedidos de crédito pendentes de concessão do Programa de Investimentos em Logística

Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2017 | 05h00

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) espera chegar ainda no primeiro semestre a uma solução para “alguns” pedidos de crédito pendentes de concessões do Programa de Investimentos em Logística (PIL). A afirmação foi feita ontem pela diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade da instituição, Marilene Ramos, na Pontifícia Universidade Federal do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Uma solução para o Aeroporto do Galeão, no Rio, nesse prazo, “é uma possibilidade”, disse ela.

Segundo a executiva, a equipe do BNDES tem se reunido com potenciais candidatos a comprar as fatias das construtoras abaladas pela Operação Lava Jato em concessões leiloadas no PIL. O programa foi lançado ainda no governo Dilma.

“Temos a expectativa que neste primeiro semestre vamos ter solução para alguns desses projetos. Outros ainda demoram”, disse Marilene. Ela deu entrevista antes de proferir palestra para alunos de engenharia da PUC-Rio. Ao ser questionada sobre quais operações estariam mais perto de uma solução, a diretoria do BNDES citou o Galeão e “algumas rodovias”.

“O Galeão está perto de uma solução, algumas rodovias também estão”, disse. Segundo ela, “é uma possibilidade” que o Galeão esteja incluído no grupo dos projetos a serem solucionados no primeiro semestre.

Modelo. A concessionária RIOGaleão é uma sociedade entre a Infraero, com os 49% de participação do modelo de concessão anterior para os aeroportos, a OdebrechtTransport e a operadora Changi, de Cingapura. Ontem, o jornal O Globo noticiou que o grupo chinês HNA negocia a aquisição da participação da Odebrecht, atingida em cheio pela Lava Jato. Os chineses fariam um aporte de R$ 4 bilhões. Marilene disse que o BNDES ainda não se reuniu com a HNA, mas “certamente” se reunirá. 

Segundo ela, nas reuniões com investidores, nenhum interessado pediu acesso à linha de crédito de R$ 5 bilhões do banco. O BNDES lançou-a em agosto, para apoiar a compra de ativos de empresas em recuperação judicial ou com problemas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.