BNDES e credores recebem projeto de união Varig-TAM

A Varig e a TAM já entregaram ao BNDES e aos credores as linhas gerais das análises econômico-financeiras nos números de cada empresa. A informação é de um executivo que acompanha o processo de associação das companhias aéreas. Por enquanto, as reuniões com os credores foram isoladas e não em formato de comitê. ?O projeto é para valer e as empresas estão empenhadas ao máximo para dar agilidade ao negócio?, diz o executivo.Na noite da última quinta-feira, o BNDES recebeu o projeto do economista da Unicamp Luciano Coutinho, que vem supervisionando a tentativa de fusão das empresas. Lessa disse hoje que o processo está avançando de ?forma bem sensata?. Segundo ele, a reunião com Coutinho foi de apresentação e que nada de concreto foi decidido. ?O BNDES será uma instituição no final desse processo?, disse.O presidente do BNDES também defendeu a concentração no setor aéreo como uma saída para crise, mas deixou claro que esse assunto está sendo tratado pelos Ministérios da Defesa e do Desenvolvimento e que o banco seguirá as orientações que receber deles. ?Eu não sei se a proposta será manter ou reduzir o número de empresas?, disse. ?O que estou vendo é o aumento da regulação para permitir concorrência sim, mas não concorrência predatória?.Lessa afirmou que ?em praticamente todos os países, a participação de uma empresa aérea é muito grande, com exceção dos Estados Unidos, onde a concentração é menor?. Segundo ele, nos países da Ásia e da Europa, em geral, há apenas uma grande companhia de aviação. O presidente do banco também afirmou, como opinião pessoal, que o Brasil deve ter uma grande companhia aérea que faça vôos internacionais e ligue as principais cidades do País, e outras que operem redes menores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.