BNDES e Furnas criticam vandalismo contra Belo Monte

‘A ferramenta numa sociedade democrática é o diálogo, a negociação’, afirmou o presidente do BNDES durante fórum da Rio+20

Sabrina Valle, da Agência Estado,

18 de junho de 2012 | 17h15

RIO - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, condenou atos de vandalismo nos últimos dias em protestos contra a usina de Belo Monte. O projeto conta com financiamento do banco. "O vandalismo é sempre condenável. A ferramenta numa sociedade democrática é o diálogo, a negociação", afirmou durante fórum corporativo na Rio+20.

Coutinho disse desconhecer informações de invasão da sede do BNDES hoje por índios que participam da Rio+20 e se disse sempre aberto ao diálogo com movimentos sociais.

O presidente de Furnas, Flávio Decat, também condenou os atos de vandalismo contra Belo Monte. "Esta não é uma discussão muito racional".

Decat defendeu o projeto, dizendo ter baixo impacto ambiental e social, com inundação de uma área restrita e remoção de famílias de construções de palafitas para casas melhores. Decat diz que o maior impacto vem das milhares de pessoas que são transferidas para o local, para erguer o empreendimento. No entanto, ele ressalva que o projeto conta com um orçamento bilionário para amenizar impactos.

Tudo o que sabemos sobre:
Belo MonteinvasãoBNDESFurnas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.