BNDES empresta R$ 1,1 bilhão para grupo ferroviário

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta quinta-feira a aprovação do maior financiamento para ferrovias já registrado no País. O Grupo América Latina Logística (ALL) terá crédito de R$ 1,1 bilhão do banco de fomento para concluir investimentos totais de R$ 2,9 bilhões até 2009. A estimativa é que sejam investidos R$ 12,5 bilhões no setor ferroviário no Brasil entre 2006 e 2010 e cerca de 50% serão financiados pelo banco.O maior financiamento anterior para ferrovias foi de R$ 900 milhões, concedido pelo BNDES para a Transnordestina em 2005. No ano passado, o banco somou aprovações de R$ 2,18 bilhões para o setor ferroviário - incluindo o crédito para o ALL, definido em 28 de dezembro -, ante R$ 471 milhões em 2005.O BNDES, por meio da BNDESPAR, participa do grupo controlador da ALL, detendo 12,7% do capital total da empresa. A entrada da banco no capital ocorreu em maio de 2006, como resultado do processo de reestruturação da Brasil Ferrovias - que foi incorporada pela ALL - ocorrido em 2005 e que foi apoiado pelo BNDES.A rede ferroviária da ALL tem cerca de 20 mil quilômetros de extensão e inclui, além do Brasil, parte da Argentina e Chile. O diretor de Serviços e Tecnologia da empresa, Paulo Basílio, disse que o foco é o aumento da produtividade nos próximos anos, especialmente na Brasil Ferrovias (Ferroban e Ferronorte).Os investimentos da ALL deverão atender à meta da companhia de aumentar o volume de carga transportado pela Brasil Ferrovias em cerca de 14% ao ano, nos próximos anos. Dos R$ 1,1 bilhão que serão financiados pelo BNDES, R$ 985,3 bilhões vão para a ALL do Brasil e R$ 138,4 milhões financiarão os investimentos da Ferronorte e Ferroban em 2008 e 2009. Estas ferrovias já possuem uma linha de financiamento de R$ 265 milhões que contemplam os investimentos até o final de 2007.Holding das concessionárias Ferronorte e Ferroban, a Brasil Ferrovias possui um sistema ferroviário que cobre os Estados de São Paulo, Mato Grosso e parte do Mato Grosso do Sul. Basílio não quis informar quanto do investimento total de R$ 2,9 bilhões da empresa irá para essa holding. Segundo Basílio, o plano de investimentos totais da ALL está divido na compra de vagões via clientes (35% do total a ser investido), via permanente (25%), locomotivas (25%) e tecnologia, terminais e outros (15%). Serão realizados nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A meta é remodelar e modernizar a via permanente das concessionárias ALL do Brasil, Brasil Ferrovias e Novoeste. Além disso, haverá construção de novos pátios de cruzamento, reforma de vagões e locomotivas, modernização de sistemas operacionais e aumento da capacidade de terminais de movimentação de cargas. O projeto prevê ainda, segundo o BNDES, "investimentos para a superação de gargalos logísticos". Serão construídos viadutos nas cidades de Londrina, Paranaguá, Ponta Grossa e Piraquara, ambas no Estado do Paraná.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.